Aga Khan chegou a Lisboa. "É como Moisés para os judeus, como Cristo para os cristãos"

O avião de Aga Khan cruzou os céus de Lisboa às 15.53. Meia hora depois, ele saudava os membros da comunidades ismaili no topo do Parque Eduardo VII. Houve abraços e lágrimas. O príncipe, comemora em Lisboa os 60 anos à frente dos ismaelitas

Quando o carro verde escuro entrou na Alameda Cardeal Cerejeira, a multidão que se juntou ao longo do passeio cantou e agitou as pequenas bandeiras de Portugal e da comunidade ismaili. Dentro do reluzente automóvel, de vidro meio aberto, uma mão saudava-os. A mão de Aga Khan, líder espiritual dos ismailis, que está em Lisboa desde a tarde desta sexta-feira, dia 6, para encerrar as celebrações dos seus 60 anos à frente da comunidade. Eram 16.00 quando aterrou no aeroporto de Figo Maduro.

Houve lágrimas e abraços. E muitas fotografias de família com o Tejo em fundo, quando a emoção passou.

"É o nosso pai espiritual", diz uma jovem mãe norte-americano que veio com a família a Lisboa para ver o Imam. "Somos 18". Três gerações de ismaelitas.

"É como Moisés para os judeus, como Cristo para os cristãos", diz o português Mahmad Mamad ao DN. "Afinal, é o descendente de Maomé". A pulseira verde no pulso, diz que vai passar os próximos dias na Feira Internacional de Lisboa, Altice Arena e Pavilhão de Portugal, os locais onde se concentram as exposições, concertos e mostras de talento ismaili e cerimónias religiosas. São esperadas 45 mil pessoas, de 35 territórios.

Para alguns, como Sultana Dharsse, a espera durou quatro horas. Minutos antes das 16.00, a certeza de que valeria a pena esperar mais um pouco, de pé e ao sol. O avião de "Sua Alteza", como lhe chamam os ismailis, cruzou, baixinho, o céu de Lisboa e reconheceram o símbolo ismaili na cauda. Menos de meia ora depois, Aga Khan acenava aos seguidores.

Uma semana em Portugal

Este é o primeiro dia de um longo programa de festejos que inclui uma celebração com a comunidade portuguesa este sábado, no Centro de Congressos de Lisboa, uma reunião com Marcelo Rebelo de Sousa, um almoço com o primeiro-ministro, um discurso da Assembleia da República, encontros com investigadores no Centro Ismaili, uma visita à futura sede do Imamat Ismaili, que se encontra em obras e, o mais importante dos encontros, uma celebração na Feira Internacional de Lisboa para todos os membros da comunidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.