Milionário e líder religioso, quem é o príncipe Aga Khan, o homem que os ismaelitas seguem?

Aos 20 anos, após a morte do avô, Karim assumiu a liderança dos ismailis, uma comunidade de 15 milhões de pessoas espalhada pelo mundo inteiro. Faz 82 em dezembro e mantém as paixões de sempre: cavalos e esqui

Karim Aga Khan nasceu a 13 de dezembro de 1936, em Genebra, e vai estar em Lisboa até ao dia 12 para o encerramento das celebrações do jubileu de diamante, isto é, os seus 60 anos na liderança dos Ismailis. É o terceiro Aga Khan a liderar a comunidade. O título foi atribuído pelo Xá da Pérsia por volta de 1830.

- O líder dos ismaelitas tinha 20 anos quando tudo começou em 1957. O avô, Aga Khan III, deixou em testamento a indicação de que seria o neto o 49.º imam. "Face às recentes mudanças do mundo, estou convencido que é do melhor interesse da Comunidade Ismaelita que me suceda um homem jovem que tenha sido educado e desenvolvido em anos recentes e no seio da nova era, e que traga uma nova visão sobre a vida e o cargo de Imam", deixou escrito.

- O pai é Aly Khan, o filho mais novo de Aga Khan III, um playboy que encheu páginas de jornais com as suas histórias, incluindo o romance, e casamento de dois anos, com a atriz Rita Hayworth, entre 1949 e 1951. Morreu em 1960 na sequência de um acidente de automóvel.

- A mãe é a princesa Tajuddawlah Aly Khan, nascida Joan Barbara Yarde-Buller. Converteu-se ao Islão após o casamento.

Tem dois aviões, um iate de 25 anos de idade estacionado na Sicília, uma propriedade de vários hectares em Paris e uma ilha onde já recebeu o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau

- Durante a II Guerra Mundial viveu em Nairobi, no Quénia. No regresso à Suíça frequentou a escola Le Rosey School. Licenciou-se em História Islâmica na Universidade de Harvard, nos EUA, em 1959. Já era imam.

- Foi também já como líder dos ismaelitas que representou a seleção do Irão nos Jogos Olímpicos de inverno, em 1964. O desporto esteve sempre presente na sua vida. Cavalos, hóquei no gelo, futebol, remo e esqui. E aos quase 82 anos, ainda esquia.

- Apesar de não ter país, Aga Khan é recebido como um chefe de Estado. É o que vai acontecer em Portugal. Esta segunda-feira vai reunir com o presidente da República e almoçar com o primeiro-ministro.

- A sua comunidade são os ismaelitas, entre 8 e 10 mil pessoas em Portugal, 15 milhões espalhados pelo mundo, que o consideram descendente de Maomé.

- São um ramo minoritário do já minoritário xiismo, e o mais liberal.

- Ao longo dos séculos, saíram da Ásia e África e estabeleceram-se na Europa e América do Norte.Dos 1400 anos de história do ismaelismo, a Pérsia foi o território onde estiveram mais tempo, depois de passagens pelo Norte de África e Egito. No século XIX, concentram-se no que é hoje a Índia e o Paquistão. Continuam a ser países com um grande número de ismaelitas. Mas não só. Uma vaga de emigrantes mudou-se para o continente africano no século XX.

- Nos anos 70, o Canadá acolheu muitos ismaelitas que abandonaram o Uganda, Madagáscar ou África do Sul e Portugal, os de Moçambique. "Muitos pensavam ir para o Canadá, acabaram por ficar", diz Nazim Ahmad, representante diplomático do Imamat em Portugal ao DN. Ele próprio nasceu neste país africano.

- O príncipe é o 49.º imam e herdou o cargo de líder espiritual desta comunidade do avô, Muhammed Shah, um homem importante na Índia colonial, que depois se mudou para o Reino Unido e presidiu a Liga das Nações.

- Foi casado duas vezes. A primeira com uma antiga modelo britânica, com quem teve três filhos (dois rapazes e uma rapariga), a segunda com uma cantora pop de origem alemã. Têm um filho em comum.,

- Nas suas intervenções, defende o investimento da fortuna em ajudar os país mais pobres. "Quando se viaja pelo mundo em vias de desenvolvimento, vemos que a pobreza é o motor do desespero e há a possibilidade de que todos os meios sejam usados", disse ao New York Times há 10 anos, numa das suas raras entrevistas. O príncipe fala, mas quase nunca respondendo a perguntas. Defende a ajuda aos mais pobres através dos negócios. "Desenvolvemos proteção contra o extremismo."

Foi casado duas vezes. A primeira com uma antiga modelo britânica, com quem teve três filhos (dois rapazes e uma rapariga), a segunda com uma cantora pop de origem alemã. Têm um filho em comum

- O príncipe fundou a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento (AKDN, em inglês), de que é também o CEO. As múltiplas agências dividem-se em três grandes áreas: económica, social e cultural. "Não é uma empresa capitalista que visa distribuir dividendos entre os acionistas". O que diz é que os seus investimentos podem alavancar outras formas de crescimento económico num país ou região que resulta em mais emprego e esperança para os mais pobres. Construir negócios "faz parte da ética da fé", disse ao jornal americano.

- Não gosta de ser descrito como filantropo ou empreendedor. Chama-lhe o seu "mandato".

- Tem dois aviões, um iate de 25 anos de idade estacionado na Sicília, uma propriedade de vários hectares em Paris e uma ilha onde já recebeu o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau. É um líder religioso rodeado de riquezas, o que não vê como contraditório. A Forbes avaliou a sua fortuna em 800 milhões de dólares e inclui-o na lista dos 10 mais ricos do mundo em 2010.

- Tem uma grande paixão por cavalos, como o avô antes dele. Cria puro-sangues em França, um dos seus negócios mais bem-sucedidos. A filha segue-lhe os passos neste ramo.

- Os ismaelitas contribuem com doações para o funcionamento da comunidade. "Mas não é obrigatório", garante Nazim Ahmad.

- Os negócios da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento dão trabalho a 36 mil pessoas, segundo os cálculos do New York Times. O seu nome aparecia ligado a 90 empresas. Hotéis, uma operadora de telecomunicações, uma companhia aérea e uma hidroelétrica no Uganda em que investiu 750 milhões de dólares, mas a maioria são pequenos negócios na Ásia central e na África subsariana. A Rede fatura 925 milhões de euros que são reinvestidos no apoio às comunidades.

Tem uma grande paixão por cavalos, como o avô antes dele. Cria puro-sangues em França, um dos seus negócios mais bem-sucedidos

- Um dos seus primeiros negócios, em 1961, foi criar uma empresa de media, em Nairobi. "Era necessária a retirada dos britânicos do Leste de África para ter política africana explicada ao público africano em termos africanos". O Nation Media Group tornou-se um grupo empresarial bem sucedido.

- Também tem fundado academias (planeia abrir uma em Portugal) e universidades. O avô fundou mais de escolas no início do século XX e uma das suas mais célebres citações diz respeito à educação das raparigas. "Pessoalmente, se tivesse duas raparigas, uma rapaz e uma rapariga, e só pudesse educar um, não hesitaria em deixar a rapariga perseguir uma melhor educação."

- Aga Khan esteve pela primeira vez em Portugal em 1960, e já foi condecorado várias vezes. Há um ano voltou para assinar formalmente o protocolo para mudar a sede do Imamat para Lisboa em 2015. Voltará seguramente em 2019 para a inauguração do recuperado Palacete Mendonça, um edifício classificado, da autoria de Ventura Terra, atualmente em obras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.