Uma viagem surpreendente pelos contos da Sintra encantada

Quem disse que os museus têm de ser duros, austeros e formais para serem bons? No Mitos e Lendas, até os quadros falam para relevar os mistérios de Sintra

Da moldura pendurada na parede, Eça ri à gargalhada, ao recordar quanto se divertiu com Ramalho, assistindo ao embasbacamento com que a sociedade portuguesa do século XIX recebia as notícias do assassinato relatado no Diário de Notícias, antes de virar livro. "Até a polícia abriu inquéritos!" - o bigode a tremer de gozo, e depois a razão de O Mistério não poder encontrar melhor morada do que Sintra.

De cada um dos lados, nas competentes molduras douradas, Byron e Strauss de olhar perdido na recordação da vila, do palácio, do castelo e do aspeto romântico etéreo do parque. Também hão de contar dos seus amores pela formosa Sintra.

Não são os retratos falantes que Harry Potter & companhia encontravam na escadaria de Hogwarts. Estes, Eça de Queirós, Lord Byron e Richard Strauss, podem ser descobertos na vila que os encantou e lhes inspirou obra, numa das salas do primeiro piso do centro interativo dedicado ao relato dos mitos e lendas de Sintra.

O cantinho das celebridades é um dos momentos altos da visita, mas em cada um dos cenários montados nas 16 salas trabalhadas no interior do edifício do Posto de Turismo, no coração do centro histórico de Sintra, é possível fazer descobertas surpreendentes. Não apenas nas histórias que ali se contam - buriladas com todo o rigor e detalhe, para que os que por ali passam fiquem com vontade de voltar a passear-se pelas ruas da vila, pelos jardins do palácio, pelos cenários mágicos, porém reais, destas lendas - mas especialmente na forma como são relatadas ao público.

Não são só os retratos que falam. São as cinco penhas que compõem o maciço da serra que ali nos relevam os seus segredos. É o frei Honório que relata como fugiu às tentações do demónio. São as pegas que repousam no teto da sala do Palácio da Pena a que dão o nome que aparecem a voar e a gritar "foi por bem" - cumprindo o desígnio real - por cima da cabeça dos visitantes. As trágicas histórias de amores impossíveis e as distantes lendas de cavalaria projetadas diante dos seus olhos. Ah, e a Regaleira! A quinta e o poço iniciático que faz viajar à época dos templários.

Todo o museu foi pensado para, mais do que contar os mitos e as lendas que se entreteceram ao longo de séculos na própria história de Sintra, proporcionar experiências e sensações. E para isso recorre, de forma criativa - com resultados brilhantes -, às mais recentes tecnologias (incluindo um cheirinho de cinema 4D), combinadas com um total respeito pelo produto que apresentam ao público ao longo dos cinco pisos pelos quais se distribui a exposição.

Conservas e azulejos

Nascido de uma parceria entre a Câmara Municipal de Sintra, a Associação do Turismo de Lisboa e a Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, com um investimento de cerca de 1,6 milhões de euros, um ano depois de abrir as portas, o centro interativo Sintra Mitos e Lendas já recebeu perto de dez mil pessoas. Turistas, claro - sobretudo espanhóis, ingleses, franceses e italianos -, mas cada vez mais portugueses. E dadas as suas características singulares - a fazer lembrar os pequenos museus holandeses e irlandeses, espaços culturais paralelos de grande qualidade -, consegue ganhar fãs numa audiência que vai dos 8 aos 80 anos.

Respeitando essa lógica, na loja do Mitos e Lendas pode encontrar-se uma oferta de produtos diversificada - dos doces e conservas tradicionais aos azulejos, artesanato, brinquedos evocativos da exposição e todo o tipo de souvenirs temáticos - e de qualidade de topo, capaz de atrair estrangeiros e locais, netos e avós. E se vale bem a pena visitá-lo em família, é aquele tipo de espaço cultural ideal para as escolas, em que os miúdos realmente se interessam e aprendem sem darem por isso.

Despretensioso mas rigoroso quer quanto ao conteúdo quer quanto à forma e construído com imaginação e cuidado nos detalhes - o que é óbvio em pormenores como os pedregulhos feitos bancos e a reconstituição fiel do ambiente do parque do Palácio da Pena no interior do espaço -, o centro interativo é sem dúvida uma viagem que vale a pena fazer.

O Mitos e Lendas revela-se um belíssimo cartão-de-visita de uma Sintra encantada que apetece redescobrir enquanto aquelas histórias que sobreviveram durante séculos, passadas de boca em boca, estão vivas na memória.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.