"Quem tem medo de Virginia Woolf" estreia-se quarta-feira em Lisboa

Diogo Infante e Alexandra Lencastre protagonizam a peça "Quem tem medo de Virginia Woolf", que estreia na quarta-feira, no Teatro da Trindade, em Lisboa

"Foi um projeto muito desejado, era algo que sabia que queria fazer um dia", disse Digo Infante à agência Lusa, após o ensaio de imprensa da peça. "E depois de o Plaza Suite ter corrido tão bem com a Alexandra, ainda estávamos em digressão e disse-lhe que a seguir devíamos 'fazer' a Virginia Woolf, porque estamos na idade certa", prosseguiu, referindo-se à peça anterior dos dois atores.

Alexandra Lencastre manifestou-se "maravilhada" por estar a fazer esta peça de Edward Albe, que é de uma "grande intensidade e que apesar de ser um clássico é perfeitamente atual", mas também "muito assustada".

"É uma peça que exige muito dos atores, de uma intensidade dramática muito grande, uma peça que vive de jogos. E para que funcione temos mesmo de fazer o que Diogo [Infante] nos recomenda sempre: não podemos 'deixar cair a bola'", explicou.

George e Martha são as personagens interpretadas por Diogo Infante e Alexandre Lencastre. Um casal de meia-idade, cuja vida conjugal está numa situação de rutura, que passa a vida a agredir-se verbalmente.

Alexandre Lencastre considera que, apesar das agressões, George e Martha ainda se amam. E sublinha que, embora a ação da peça se centre nos anos 1960, continua atual porque a situação que George e Martha vivem "é uma situação comum a muitos casais dos dias de hoje".

Para Diogo Infante, fazer esta peça é algo que desejava há muito e que agora aconteceu porque, além de estarem "na idade certa", tiveram uma produtora que acolheu a ideia.

Uma peça que, segundo Diogo Infante, é "muito exigente", porque apesar de ser "um registo realista" é tecnicamente "muito desgastante", "por causa dos ritmos e dos ataques".

"É tudo tão... É um caos organizado. Tudo tem de ser muito bem ensaiado (...) Para parecer natural e orgânico exige um trabalho redobrado", disse Diogo Infante.

Não é um texto teatral no normal sentido da palavra, ou seja, "é um texto que mistura ação, emoção, os detalhes, os pormenores, mas que dá um imenso gozo, dá imenso prazer", sublinhou.

Alexandre Lencastre também frisou o "trabalho redobrado" que este texto exige.

As agressões verbais entre o George e Martha são de uma violência "avassaladora" e isso também acaba por desgastar frisou a atriz, sublinhando estar "maravilhada" com os ensaios da peça e pela forma como Diogo Infante dirige os atores.

A peça, cuja ação decorre durante uma noite em que o casal chega de uma festa dada pelo pai de Martha, reitor da universidade onde George leciona, conta ainda com outro casal, Nick, um professor mais novo da mesma instituição, e sua mulher, Honey.

A ação decorre nessa noite quando George e Marhta, regressados de festa, convidam o casal a ir a casa deles. Enquanto se agridem verbalmente e depois de Martha se insinuar a Nick, George dá início a um "jogo da verdade" que induz as pessoas a confessarem pormenores da sua intimidade.

Da autoria de Edward Albee, a peça Quem tem medo de Virginia Woolf foi publicada em 1962.

A versão que sobe à cena no Trindade é de João Perry, a partir da tradução de Ana Luísa Guimarães e de Miguel Granja.

Com direção de atores de Diogo Infante, que acabou também por concluir a encenação iniciada por João Perry, interrompida por motivos de saúde, a peça conta ainda com interpretação de José Pimentão (Nick) e Lia Carvalho (Honey).

No Trindade, a peça vai estar em cena de quarta-feira a sábado, às 21:00, e aos domingos, às 16:00, até 11 de junho, regressando em setembro, após o que fará uma digressão por Portugal.

Com cenografia de Catarina Amaro e figurino de Maria Gonzaga, é produzida pela Força de Produção.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG