Parque e monumentos de Sintra receberam 3,2 milhões de visitantes em 2017

Palácio da Pena, Palácio da Vila e Castelo dos Mouros, entre outros monumentos e parques sob tutela da Parques de Sintra, receberam mais 21,65% de visitantes em 2017 do que no ano anterior.

O número exato de entradas nos vários parques e monumentos, divulgado pela Parques de Sintra, é este: 3 193 287. Representa uma subida de 691 346 de visitantes com respeito aos resultados de 2016, que tinham sido de quase 2,6 milhões, e "confirma a curva ascendente registada nos anos transatos", segundo a empresa.

O Parque e o Palácio da Pena é o preferido dos visitantes, com 1 685 964 entradas. "É assim o palácio mais visitado do país, com uma subida de 27,7% em relação a 2016", segundo a Parques de Sintra, em comunicado.

Os estrangeiros continuam a ultrapassar o número de portugueses entre os visitantes: 19,5% tem cartão de cidadão nacional, 80,5% vêm de fora. Entre estes são os do Reino Unido que estão em maioria. São 13,1%. Seguem-se os espanhóis (11,3%) e os franceses (11,3%). Outras nacionalidades que se destacam: brasileiros, norte-americanos, alemães, italianos, russos e chineses.

"Acreditamos que património recuperado é património visitado. A Parques de Sintra tem, assim, levado a cabo um trabalho permanente de recuperação dos parques e monumentos que gere, não só através das ações de conservação e restauro, mas também através de um esforço contínuo para oferecer melhores condições de visita", considera o presidente do conselho de administração da Parques de Sintra, Manuel Baptista.

O projeto de recuperação de património destes palácios e monumentos continua, adianta. "As obras nos espaços sob a nossa gestão nunca estarão terminadas, como tal temos já traçado um ambicioso plano de investimento para 2018 e para os dois anos subsequentes". A Sala dos Embaixadores no Palácio Nacional de Queluz é um dos projetos que está em curso.

Como forma de dinamizar os Palácios Nacionais da Pena, de Sintra e de Queluz e atrair novos públicos, a Parques de Sintra promoveu em 2017 mais uma edição da sua Temporada de Música Erudita com os ciclos "Serões Musicais no Palácio da Pena", "Reencontros Memórias Musicais no Palácio de Sintra" e "Noites de Queluz Tempestade e Galanterie", que contaram com a presença de 2.289 espetadores (número não incluído no total de visitas).

Os números detalhados são estes:

Parque e Palácio Nacional da Pena - 1 685 964 visitantes

Palácio Nacional de Sintra - 545 558

Castelo dos Mouros - 561 490

Palácio Nacional de Queluz - 180 432

Parque e Palácio de Monserrate - 149 156

Convento dos Capuchos - 39 573

Chalet da Condessa d"Edla - 23 418

Picadeiro Henrique Calado - 5 370

Quintinha de Monserrate - 2 326

Criada em 2000 após a classificação da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade, a Parques de Sintra é uma empresa de capitais exclusivamente públicos dedicada à recuperação, manutenção e divulgação deste património, suportado por receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.