Salvaram as catacumbas de Alexandria ameaçadas pela subida das águas

Egito anunciou a conclusão de um projeto de restauro que salvou as obras de Kom al-Shogafa, o maior local de enterro greco-romano no Egito, com cerca de dois mil anos

O Egito anunciou esta segunda-feira a conclusão de um projeto que visa salvar as catacumbas de Kom al-Shogafa, com dois mil anos, que se encontram na cidade de Alexandria. Desde a sua descoberta, em 1900, que as catacumbas têm sido ameaçadas pela água.

Considerado "um programa único que combina a arqueologia e a engenharia civil", nas palavras de Thomas Nichols, um dos engenheiros envolvidos no projeto, a restauração das catacumbas começou no final de 2017, com o apoio da Agência dos Estados Unidos para Desenvolvimento Internacional (USAID) que doou 5,3 milhões de euros para o desenvolvimento do projeto, segundo a Reuters.

O ministro de Antiguidades, Khaled al-Anani afirmou que o projeto acabou com "problemas que ameaçam a área há mais de 100 anos", pois apesar de vários projetos e tentativas de eliminar a água, até este programa, nunca se obteve um resultado eficaz, visto a água estar sempre a voltar. As catacumbas já foram danificadas por águas de terras agrícolas, pela água de um canal e também por água do esgoto.

Considerada por arqueólogos como o maior local de enterro greco-romano no Egito, as catacumbas de Kom al-Shogafa são famosas pela mistura entre estilos egípcios e greco-romanos.

Nos últimos anos, o Egito tem procurado promover a indústria do turismo, que teve uma forte diminuição depois da revolta de 2011 que derrubou Hosni Mubarak e a situação acabou por se agravar depois de terem ocorrido ataques militares a turistas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG