RTP e Lusa são "elementos estruturantes da democracia"

Nuno Artur Silva revelou que não está previsto rever o financiamento dos meios de comunicação públicos e que está a acompanhar a reestruturação do grupo Global Media e a compra da Media Capital pela Cofina.

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, disse esta segunda-feira não estarem previstas alterações ao que tem sido o financiamento dos órgãos de comunicação públicos, RTP e Lusa. "Não há alterações ao que tem sido o financiamento. Os modelos que estão em vigor continuam. O contrato da Lusa foi prolongado por mais um ano. Na RTP começámos a revisão do contrato de concessão e deste ponto de vista ainda estamos a trabalhar com a situação como ela está e vamos estudar precisamente o que vamos fazer para a melhorar", disse o governante.

Nuno Artur Silva falava aos jornalistas à margem de uma conferencia organizada pelo Sindicato dos Jornalistas sobre o financiamento dos media que decorre esta segunda e terça-feira em Cascais."Não há novidades, cheguei há um mês", sublinhou o secretário de Estado.

Durante a sua intervenção, Nuno Artur Silva salientou que a criação da secretaria de Estado com responsabilidade pela Comunicação Social integrada na área governativa Cultura não é "uma mera arrumação de circunstância", como também não é na mesma pasta que juntam o cinema e o audiovisual, acreditando que, no presente e como "um sinal" para o futuro, estas áreas se complementam e que uma perspetiva de interligação tem vantagens acrescidas.

Esta secretaria de Estado, continuou, é uma afirmação política de sinal "distintivo" deste Governo, de que "valoriza os media, todos os media livres independentes e democráticos e entre eles todos os serviços públicos e o papel central da RTP e da agência Lusa como elementos fundamentais para a cultura sim, mas sobretudo como elementos estruturantes da democracia".

Questionado pelos jornalistas sobre as recentes alterações no panorama dos órgãos de comunicação privados, nomeadamente a reestruturação do grupo Global Media e a compra da Media Capital pela Cofina, Nuno Artur Silva disse que o executivo está a acompanhar estes movimentos "com atenção". "Acompanharemos no estrito cumprimento da não interferência do Estado e do Governo naquilo que são as atividades privadas dos respetivos grupos", disse o governante, atentando que, no entanto, que "há um lado público destes grupos e do jornalismo que prestam e do serviço público".

"A nossa missão é acompanhar para que o jornalismo possa ser feito nas melhores condições possíveis. Agora, mais do que o Governo, os próprios reguladores terão que estar atentos a isso", acrescentou.

Sobre os apoios e financiamentos a privados, o secretário de Estado considerou que o papel do Estado nunca deverá ser apoiar de uma forma direta "este ou aquele título", mas sim encontrar formas de apoios indiretos à existência de uma comunicação social livre.

"Estamos a estudar as fórmulas, não estamos a inventar a roda. Estamos a ver o que está a ser feito noutros países e a estudar aquilo que já existe no Governo", disse o governante.

Segundo Nuno Artur Silva existem "algumas ideias" que se começarão a construir e que parecem importantes para "desenvolver nos próximos tempos", nomeadamente ao nível da imprensa local e da criação de um plano nacional de literacia mediática.

De facto, continuou, é necessário avaliar "possibilidades e reais impactos destas medidas", como também perceber o valor da educação na literacia mediática, fomentar o pensamento crítico e a comunicação.

"Esta aposta na literacia mediática pressupõe um diálogo cada vez maior entre cultura, ciência, tecnologia e comunicação em geral", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...