Queda nas ciências "resulta de uma aposta exacerbada noutras disciplinas", diz ministro

O ministro da Educação participou esta terça-feira na apresentação dos resultados do PISA 2018, numa conferência que teve lugar no Centro Científico e Cultural de Macau, em Lisboa. Os resultados reforçam a evolução positiva de Portugal, mas os jovens portugueses estão piores na área das ciências.

"Portugal é caso único na OCDE" (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), lembrou o ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues, a propósito dos resultados da edição 2018 do relatório PISA - Program in International Student Assessment (em tradução livre, Programa Internacional de Avaliação de Alunos). O país consolidou os resultados atingidos em 2015, quando superou pela primeira vez a média da OCDE, mas desceu significativamente numa das áreas em foco no estudo: a Ciência. O que o ministro considera ser o resultado de um conjunto de medidas, durante o período de governação que embateu com a crise económica, em que se deixou "de parte" disciplinas como as Ciências Naturais.

Entre as três áreas-chave analisadas no PISA (Leitura, Matemática e Ciência), foi na Ciência que se sentiram as maiores diferenças face aos restantes países e economias, tendo-se mantido mais estável na restantes. Na mais recente edição, a média entre todos os jovens portugueses na literacia científica foi de 492 pontos, "uma diferença significativa de menos 9 pontos" em relação a 2015, embora se mantenha acima da média da OCDE por três pontos. Portugal retoma, assim, resultados próximos do nível observado em 2009 e 2012.

O cenário, disse Tiago Brandão Rodrigues, "resulta de algumas apostas feitas recentemente, principalmente durante a crise, durante a governação 2011-2015, com o falado afunilamento curricular e de uma aposta exacerbada de um conjunto de outras disciplinas, deixando um conjunto de outras de parte, nomeadamente as Ciências Naturais". "Acreditamos que agora com um aposta no programa Ciência Viva, as ciências podem ter agora o seu lugar, de corpo inteiro, nas nossas escolas", acrescentou o ministro, em declarações ao jornalistas, à margem da cerimónia de apresentação das conclusões do PISA, que decorreu esta terça-feira em Lisboa, no Centro Científico e Cultural de Macau.

Segundo a edição portuguesa do PISA, coordenada pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), não é mais do que um espelho da "tendência decrescente da pontuação média da OCDE na avaliação das ciências que já em 2015 apresentou uma quebra de quatro pontos em relação a 2006". Assim sendo, "quando se analisa a variação média em ciclos de três anos, Portugal é um dos 13 países que apresenta uma variação positiva e significativa de mais 4,3 pontos na avaliação das ciências".

Portugal foi apelidado de "a maior história de sucesso na Europa do PISA" e a mais recente edição 2018 mostra que o título deverá ser para manter. Apesar de os jovens portugueses de 15 anos (amostra do estudo) terem descido ligeiramente no ranking que avalia a sua literacia, continuam a ser daqueles que registam uma maior evolução positiva, num ranking liderado pelos países do sudeste asiático.

"A escola pública tem de ser um elevador social"

Em Portugal, "a probabilidade de um aluno que se situe entre os 25% mais desfavorecidos obter uma pontuação abaixo do nível 2 de conhecimento é aproximadamente três vezes maior do que a de um aluno com estatuto socioeconómico superior obter esta pontuação", alerta o relatório do IAVE, numa análise às conclusões do PISA. Aliás, "o efeito do estatuto socioeconómico e cultural em Leitura é maior em Portugal do que no conjunto dos países da OCDE".

O PISA mostra que apenas 2% dos estudantes desfavorecidos alcançaram os melhores resultados na Leitura em 2018, contrastando com os 16% mais favorecidos que atingiram as mesmas pontuações. Em média nos países da OCDE, 17% dos estudantes mais favorecidos e 3% dos estudantes mais desfavorecidos foram os melhores em leitura.

E a única forma de combater as estatísticas passa por trabalhar o papel da escola pública, disse o ministro da Educação. "A escola pública tem de ser um elevador social para todos aqueles que não tiverem oportunidade, em casa, de adquirir competências", lembra, garantindo que o governo tem trabalhado no sentido de criar "uma escola que seja para todos". Exemplifica com o Programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, que trabalha em mais de 100 agrupamentos espalhados pelo país, de forma a prevenir e a reduzir o abandono escolar precoce e o absentismo, a redução da indisciplina e a promoção do sucesso educativo de todos os alunos. Mas também "com uma aposta forte na Ação Social Escolar, para compensar uma iniquidade que existe na sociedade."

Na sessão, esteve também presente o analista da OCDE, Francesco Avvisati, que lembrou como "a equidade é uma das áreas em que há mais espaço para melhorias". O especialista apontou países como França, Alemanha, Luxemburgo e Bélgica como os piores exemplos ao nível da igualdade escolar. Do outro lado da tabela, como bons exemplos, estão Canadá, Irlanda, Finlândia, mas também a China (Hong Kong e Macau).

O estudo internacional, divulgado de três em três anos desde o ano 2000, traça um retrato sobre o desempenho dos alunos de 15 anos de 79 países e economias diferentes. Ao todo, a nível mundial, contou com a colaboração de cerca de 600 mil estudantes, representando cerca de 32 milhões de jovens nesta faixa etária. Em Portugal, foram 5932 alunos e 5452 professores, entre 276 escolas de todas as regiões do país.

Cada um participou numa série de questionários que avaliaram os seus conhecimentos em três áreas-chave - Leitura, Ciência e Matemática, sendo a Leitura a área principal desta edição - e a sua relação com a escola. A grande maioria dos alunos de 15 anos participantes no estudo (57,4) encontrava-se no 10.º ano de escolaridade - um número superior ao registados nos últimos anos, em que havia uma maior distribuição por outros anos. Já 17,2% ainda estava no 9.º ano, 7,2% no 8.º ano e 2,4% no 7.º ano. Há ainda 15,7% destes que se encontravam em em áreas de formação e educação vocacionais ou profissionais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.