Primeiro centro de investigação e tratamento de cancro do pâncreas vai nascer em Lisboa

É o primeiro centro do género no mundo que abre portas dentro de dois anos. Um projeto da Fundação Champalimaud em colaboração com Mauricio e Charlotte Botton que investem 50 milhões de euros

Vai chamar-se "Botton-Champalimaud Pancreatic Center" e será o primeiro do mundo a dedicar-se simultaneamente à investigação científica e ao tratamento do cancro pancreático, um dos que tem atualmente menor taxa de sucesso em termos de terapia.

Para criar o centro, que será construído num terreno junto à fundação e deverá iniciar atividade a 5 de outubro de 2020, dez anos depois da abertura do "Centro Champalimaud para o Desconhecido", a Fundação Champalimaud une esforços com Mauricio e Charlotte Boton. Estes contribuem com 50 milhões de euros para a contrução do centro, no que é "a primeira vez que uma família estrangeira confia a uma instituição filantrópica portuguesa" este tipo de responsabilidade, assinala a fundação Champalimaud.

Mauricio Botton Carasso é neto da Isaac carasso, fundador, em 1919, da Danone, que ao longo do século XX se transformou numa das maiores empresas no setor. Maurício Botton foi responsável pela investigação e desenvolvimento dos novos produtos da Danone.

O cancro do pâncreas tem hoje uma taxa de sucesso muito menor do que a das doenças cardiovasculares, por exemplo, e a expectativa de vida de um doente é hoje igual à que era em 1970. Daí a necessidade de uma aposta na investigação nesta área, que era já uma ideia na Fundação Champalimaud.

Em geral, os casos de cancro e de mortes por tumores malignos estão a aumentar em Portugal. Cerca de 300 por cada 100 mil habitantes morreram de cancro em 2016, sendo os homens os mais afetados, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Desde 1960 - ano em que o cancro representou 9,6% da mortalidade no país - que os números não param de subir. Já em 2016, ano das últimas estatísticas, dos 110 970 óbitos registados, 27 357 ocorreram devido a tumores malignos - o que corresponde a 24,7% da totalidade.

Foi em 2016 a segunda maior causa de mortes em Portugal, a seguir às doenças do aparelho respiratório. Em abril deste ano, o oncologista Miguel Barbosa alertava para a possibilidade de até 2030 se registarem mais "60 mil novos casos de cancro, com a mesma mortalidade".

O tumor maligno da traqueia, brônquios e pulmão foram os que registaram mais mortes, com 4 085 óbitos. Seguem-se o cancro do cólon, reto e ânus, com 3 909 mortes, e tumor maligno do estômago, com 2 197.

O sexo masculino foi o mais afetado, com uma relação de 147,5 óbitos por cada 100 mulheres.

A idade média das mortes registadas nos homens situa-se no 72,4 anos, sendo mais elevada para o sexo feminino, nos 74,2 anos.

No panorama europeu, Portugal registou valores ligeiramente inferiores à média da União Europeia, com uma percentagem de óbitos por tumores malignos de 25,4%.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.