Portugal com 266 mortos. "Esta não é uma corrida de 100 metros, é uma longa maratona"

Nas últimas 24 horas morreram 20 pessoas e foram confirmados mais 638 casos.

Há 10 524 pessoas infetadas com o novo coronavírus, 266 mortes e 75 recuperados em Portugal, informa o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) deste sábado (4 de abril). Nas últimas 24 horas, foram confirmados mais 638 casos e 20 mortes.

Estão internadas 1 075 pessoas, das quais 251 nos cuidados intensivos (mais seis do que na sexta-feira). Aguardam ainda resultados das análises laboratoriais 5 518 pessoas e mais 22 858 estão em vigilância pelas autoridades de saúde.

O óbito que sido registado no Alentejo ontem, afinal, "veio a confirmar-se covid negativo", esclarece a nota da DGS.

A região do Norte continua a ser a que tem mais casos de covid-19, com 6280 pessoas infetadas e 141 mortes registadas. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo, com 2513 infeções e 54 mortes.

Sobre as vítimas, o boletim informa que na sua maioria (170) tinham mais de 80 anos e 50 tinham entre 70 e 79 anos.

400 mil máscaras para os profissionais de saúde

Portugal vai receber ainda este sábado 3 milhões de máscaras cirúrgicas e 400 mil máscaras FFP2, entre outros materiais de proteção pessoal, como batas, luvas e toucas, garantiu a ministra da Saúde Marta Temido, na conferência de imprensa diária sobre a covid-19, desta vez acompanhada pela a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, e o presidente do Conselho de Administração da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Luís Goes Pinheiro.

A ministra garantiu ainda que chegam amanhã 144 ventiladores de uma encomenda de 1500 feitos pelo Ministério da Saúde, alguns deles correspondem a doações. Serão todos entregues até meados de abril.

A responsável da saúde recordou que o uso de máscaras cirúrgicas é recomendado, além de aos profissionais de saúde, a todas pessoas com infeções respiratórias e às que por algum motivo se encontram em unidades de saúde. Além disso, fora das instituições de saúde, recomenda-se o uso de máscaras a todos os profissionais e pessoas que tenham contacto com pessoas doentes ou que se suspeitam que possam estar infetadas, ou com objetos por elas utilizadas, nomeadamente todos os cuidadores. Finalmente, explicou a ministra Marta Temido, também devem usar máscaras os doentes imuno-suprimidos nas suas deslocações esporádicas fora do domicílio.

Portugal tem capacidade para realizar 10 mil testes por dia

Marta Temido sublinhou que nos últimos dias tem havido escassez de testes, devido à falta de zaragatoas. A situação será resolvida com a entrega prevista de 80 mil zaragatoas e 260 mil testes.

A ministra revelou que entre 1 de março e 1 de abril foram realizados 88 497 testes, 53% dos quais em ambiente público (e 47% em ambiente privado). No dia 1 de abril, aquele em que foram realizados mais testes, foram processados 9400 amostras para diagnóstico da SARS.

Neste momento, há 26 unidades, para além do Instituto Ricardo Jorge, capacitadas para realizar testes. A ministra garante que se estima que as unidades públicas de saúde têm capacidade para fazer 6780 testes por dia, enquanto as unidades privadas terão capacidade para fazer 4190 testes por dia - desde que haja o material necessário para tal.

Graça Freitas explicou ainda que o Instituto Ricardo Jorge está a trabalhar, juntamente com institutos de outros países, na possibilidade de realizar testes de imunidade para perceber que proporção dos portugueses estará já imunizada. Porém, a diretora geral de saúde lembrou que isso é algo que não pode ser feito demasiado cedo: a imunidade "leva tempo a instalar-se".

"Ainda temos muito trabalho para fazer"

"Precisamos mesmo de continuar a cumprir as medidas de contenção e mitigação", afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido, sublinhando que a análise dos números de infeções e mortes em Portugal revela que "todos os esforços" que estão a ser feitos estão a ter resultado mas que é preciso continuar para "reduzir o perigo de contágio".

"Ainda temos aqui muito trabalho para fazer até podermos voltar à normalidade da nossa vida", confirmou a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas.

"Este é o momento para equilibrar o medo e a coragem", disse Marta Temido. "A coragem de ficar em casa, a coragem de continuar a ajudar os outros, quando devidamente protegidos, a coragem de pedir ajuda quando precisarmos dela" - e aqui deixou uma palavra de alerta a que todos fiquem atentos não só à saúde do corpo mas também à saúde mental.

De qualquer forma, a mensagem das duas responsáveis pela saúde, neste sábado, é para que os portugueses se mantenham em casa o máximo possível e que continuem a cumprir todas as regras de distanciamento social.

O balanço desta primeira semana de mitigação é positivo e mostra "uma grande responsabilidade por parte dos portugueses" que cumpriram na sua maioria as regras impostas, concluiu Marta Temido. Porém, essa responsabilidade "tem de ser renovada todos os dias porque não há uma luz ao fundo do túnel". Esta "não é uma corrida de 100 metros, é uma longa maratona", concluiu a ministra da Saúde.

Espanha e Itália continuam a ser os países europeus mais afetados

A pandemia de covid-19 matou já pelo menos 57 474 pessoas e infetou mais de um milhão em todo o mundo desde seu aparecimento, segundo um balanço da agência France Presse, atualizado às 19:00 desta sexta-feira, baseado em fontes oficiais. De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, foram oficialmente diagnosticados 1 082 470 casos em 188 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro passado, na China.

A Europa, com cerca de 587 mil infetados e quase 42 mil mortos até ao final do dia de sexta-feira, é o continente onde se regista o maior número de casos.

A Itália, que registou sua primeira morte ligada ao coronavírus (covid-19) no final de fevereiro, tem atualmente 14 681 mortes, entre 119 827 casos.

A Espanha registou nas últimas 24 horas o menor número de mortes por coronavírus em oito dias: foram 809 mortes, que elevam o total para 11 744, foi confirmado neste sábado pelo Ministério da Saúde. O número de infetados aumentou para 124 736, com 7 026 novas infeções nas últimas 24 horas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG