"Uma simples tampa teria evitado". A carta dos pais da criança belga morta em piscina

Em comunicado à imprensa, familiares de Vic dizem que o filtro da piscina estava destapado e exigem investigação rigorosa do caso

Ansie Van Aerschot e Michael Wanzeele, pais de Vic, criança belga de seis anos que morreu na segunda-feira depois de ter ficado presa numa piscina de uma casa de férias em Azeitão, garantem que a criança estava acompanhada por adultos, que nada puderam fazer para evitar uma tragédia que, no seu entender, "uma simples tampa podia ter evitado".

"Saltámos todos imediatamente para a piscina para o ajudar, mas era impossível soltá-lo. Tentámos repetidas vezes (nas primeiras tentativas, o Vic ainda estava vivo e a mexer-se, a tentar soltar-se)... Eu entrei em pânico porque era evidente que não o conseguíamos tirar, mas continuámos a tentar. Ligámos para o 112, a nossa chamada foi transferida 5 vezes até conseguirmos falar com alguém que falasse inglês. Fomos à procura do quadro de eletricidade para desligarmos o filtro, mas não conseguimos encontrar nada de útil no quadro. Ninguém sabia onde se encontrava a instalação da piscina", conta a mãe da criança, num comunicado enviado à imprensa, relatando o que se seguiu ao momento em que Vic ficou preso na "parte mais funda" da piscina, "com pelo menos 1,90 metros de profundidade".

"Eu liguei para a BE@home - empresa responsável pela propriedade Arrábida Country Retreat (Alojamento Local), selecionada pela nossa agência de viagens - e, ao telefone, gritei que o meu filho tinha ficado preso no filtro e estava a morrer na piscina. Eles disseram-me para permanecer calma e que alguém iria imediatamente (chegaram ao mesmo tempo que os bombeiros). Nada disseram relativamente à instalação que poderíamos desligar...", prosseguiu.

No comunicado, é referido que Vic "terá ficado debaixo de água durante 15 a 20 minutos", até os bombeiros arrobarem a porta, desligarem o sistema de filtro e conseguir soltar a criança, iniciando depois as técnicas de reanimação que "trouxeram-no de volta após 40 a 45 minutos"..

"O filtro devia estar tapado! A aspiração era tão forte que não ele nunca teve qualquer hipótese...é inacreditável que isto pudesse acontecer quando uma simples tampa o podia ter evitado... Emitimos este comunicado para garantir que será levada a cabo uma investigação rigorosa deste caso e que serão tomadas medidas para impedir que esta tragédia aconteça com outra família", concluem os pais da vítima.

Eis a carta na íntegra:

DOS ACONTECIMENTOS DA PASSADA TERÇA-FEIRA, DIA 17 DE JULHO, NO ARRÁBIDA COUNTRY RETREAT

Terminaríamos as nossas férias em Portugal na terça-feira, dia 17 de julho. Passeámos pelo país durante quinze dias com uns amigos nossos e com os seus filhos. Deixaríamos a villa depois de almoço para irmos para o aeroporto e regressarmos à Bélgica.

O meu marido saiu de manhã cedo, de carro, para levar as nossas malas para casa. Vic e as outras crianças brincavam juntos na piscina. A nossa amiga estava sentada junto à piscina e eu estava a preparar a mesa, perto da piscina, com o marido dela.

Enquanto o Joris e o Vic davam uns mergulhos, Joris reparou logo que o Vic tinha ficado preso num buraco no fundo da piscina, na parte mais funda da mesma, com pelo menos 1,90 metros de profundidade. Saltámos todos imediatamente para a piscina para o ajudar, mas era impossível soltá-lo.

Tentámos repetidas vezes (nas primeiras tentativas, o Vic ainda estava vivo e a mexer-se, a tentar soltar-se)... Eu entrei em pânico porque era evidente que não o conseguíamos tirar, mas continuámos a tentar.

Ligámos para o 112, a nossa chamada foi transferida 5 vezes até conseguirmos falar com alguém que falasse inglês. Fomos à procura do quadro de eletricidade para desligarmos o filtro, mas não conseguimos encontrar nada de útil no quadro. Ninguém sabia onde se encontrava a instalação da piscina.

Eu liguei para a BE@home - empresa responsável pela propriedade Arrábida Country Retreat (Alojamento Local), selecionada pela nossa agência de viagens - e, ao telefone, gritei que o meu filho tinha ficado preso no filtro e estava a morrer na piscina. Eles disseram-me para permanecer calma e que alguém iria imediatamente (chegaram ao mesmo tempo que os bombeiros). Nada disseram relativamente à instalação que poderíamos desligar...

Nesse momento percebi que não conseguiríamos tirar o Vic sozinhos, enquanto ele continuava no fundo da piscina, já sem se mexer... Eu queria que os serviços de emergência chegassem o mais rápido possível, por isso comecei a correr descalça para a estrada para lhes indicar o caminho. Gritei o mais alto que consegui para que eles me ouvissem e encontrassem o caminho mais facilmente.

Os bombeiros chegaram primeiro e dois deles tentaram soltar o Vic, sem sucesso. Começaram à procura da instalação, que parecia estar numa pequena casa na estrada de acesso que se encontrava trancada. Os bombeiros arrobaram a porta, desligaram o sistema do filtro e finalmente conseguiram soltar o Vic. Penso que terá ficado debaixo de água durante 15-20 minutos.

Começaram as técnicas de reanimação e trouxeram-no de volta após 40-45 minutos. Depois dos bombeiros, chegou a polícia e depois disso a ambulância e um carro com o médico de emergência. O Vic foi levado para o Hospital Dona Estefânia onde foi imediatamente recebido pela equipa da unidade de cuidados intensivos pediátricos com carinho e com o melhor tratamento possível.

Deixaram claro que o Vic estava gravemente ferido. Prometeram tentar tudo para o trazerem de volta, mas não tinham a certeza se conseguiriam e, caso conseguissem, em que estado se encontraria...mas ele não sobreviveu. No sábado, dia 21 de julho, a ressonância magnética demonstrava que o cérebro do Vic estava gravemente afetado, incluindo o tronco cerebral, e tudo apontava para que estivesse em morte cerebral. Segunda-feira, dia 23, morreu nos nossos braços pela segunda vez.

O filtro devia estar tapado! A aspiração era tão forte que ele nunca teve qualquer hipótese...é inacreditável que isto pudesse acontecer quando uma simples tampa o podia ter evitado... Emitimos este comunicado para garantir que será levada a cabo uma investigação rigorosa deste caso e que serão tomadas medidas para impedir que esta tragédia aconteça com outra família.

Os Pais do Vic,

Ansie van Aerschot

Michael Wanzeele

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG