Ordem dos Enfermeiros recebeu cinco candidaturas às próximas eleições

Além da lista da atual bastonária, Ana Rita Cavaco, foram apresentadas mais quatro candidaturas (duas delas de âmbito regional), que ainda estão sujeitas a aprovação.

A Ordem dos Enfermeiros recebeu cinco candidaturas às próximas eleições da organização, três nacionais e duas regionais, todas sujeitas a confirmação. Além da recandidatura da atual bastonária, Ana Rita Cavaco, pela lista Orgulhosamente com os Enfermeiros, são conhecidos os nomes de outras duas listas: Enfermagem, a Causa Maior e Futuro Já.

O prazo de entrega das candidaturas terminou na passada terça-feira, aguardando agora que a Comissão Eleitoral confirme se cumprem os requisitos para estarem no boletim de voto a 6 de novembro.

Depois de um ano atribulado, em que a bastonária foi acusada de gastos injustificados e de participação ilegal na organização da "greve cirúrgica" realizada pelos enfermeiros no início do ano, Ana Rita Cavaco quer ser reeleita. Na página do Facebook Orgulhosamente com os Enfermeiros, pode ler-se que durante o mandato atual foram feitas muitas melhorias na Ordem, como descontos nas quotas, formação gratuita ou a criação de um gabinete de mediação de conflitos. Nas últimas eleições, candidataram-se nove listas, a da bastonária venceu com 38,72% dos votos.

"Foram quatro anos a lutar todos os dias para devolver a dignidade e a voz aos enfermeiros. Sinto que cumpri, mas quero fazer mais", diz, na rede social, Ana Rita Cavaco, que preferiu não apresentar as propostas para estas eleições ao DN antes de a Comissão Eleitoral verificar as candidaturas.

As listas alternativas repetem que não estão "contra ninguém", mas pretendem uma maior valorização da profissão do que aquela a que assistiram no último mandato. "Não se trata de uma candidatura contra os atuais órgãos, trata-se de criar uma alternativa, uma visão diferente que efetivamente consiga restabelecer a confiança", diz ao DN Belmiro Rocha, candidato a bastonário pela lista Enfermagem a Causa Maior.

A lista do enfermeiro do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e atual responsável pelo colégio de reabilitação da Ordem quer garantir a representatividade do órgão "em todos os contextos onde se discuta, decida e planeie cuidados de saúde", investir na formação, na investigação sobre a profissão e na criação de um fundo de apoio solidário para os enfermeiros.

Já a lista Futuro Já afirma que "é urgente credibilizar a Ordem", com "uma gestão transparente e rigorosa e a moralização dos vencimentos", depois de um mandato em que os enfermeiros foram alvo de muita atenção, nem sempre pelos melhores motivos.

Enfermeiros no centro das atenções

Em abril, a Ordem dos Enfermeiros foi sujeita a uma sindicância interposta pelo Ministério da Saúde por suspeitas de gastos indevidos e de participação ilegal na organização da "greve cirúrgica" realizada no início do ano. Durante dois dias, inspetores estiveram na sede da ordem para revistarem todos os documentos da atividade do organismo desde 2016, altura em que Ana Rita Cavaco tomou posse como bastonária. Este processo custou à organização 105 mil euros em advogados.

Desde então as contas da Ordem têm sido sujeitas a escrutínio público. A polémica mais recente foi um patrocínio concedido a uma telenovela da SIC, onde existia uma enfermeira como personagem, interpretada pela atriz Liliana Santos. Uma estratégia de comunicação para valorizar a profissão, de acordo com Ana Rita Cavaco, no valor de 36 mil euros.

Estão inscritos na Ordem cerca de 70 mil enfermeiros e os resultados destas eleições vão escolher o bastonário da Ordem entre 2020 e 2023.

Exclusivos