Novo tratamento para o cancro. "É uma terapêutica com potencial futuro"

O IPO do Porto administrou pela primeira vez em Portugal uma terapia no tratamento do cancro do sangue que pode salvar a vida de alguns doentes que já testaram outras opções. Especialistas acreditam que há cerca de 60 doentes que beneficiarão desta terapêutica, que poderá ser alargada a outros tipos de tumores.

Pela primeira vez em Portugal, um doente foi submetido a uma terapia para o tratamento do cancro do sangue assente na modificação genética de células CAR-T, administrada no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto. O presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia não tem dúvidas de que este é um grande passo para determinados doentes e "uma terapêutica presente com potencial futuro". Em entrevista ao DN, Paulo Cortes e o hematologista do Instituto Português de Oncologia explicam os contornos da nova técnica que pode salvar a vida de tantos.

Uma mulher de 39 anos foi a primeira a testar este tratamento, esta terça-feira, na qual foram infundidos os Linfócitos T geneticamente modificados. E são precisamente as células geneticamente modificadas a grande inovação desta terapia, explicou o diretor da Clínica de Onco-Hematologia, José Mário Mariz, em declarações à Lusa. A ideia surge no âmbito de um programa de acesso precoce (PAP) aprovado pelo Infarmed.

Taxa de sucesso prevista é de 40%

Segundo Paulo Cortes, "o facto de em Portugal já podermos ter acesso a esta tecnologia é absolutamente louvável". O presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia elogia o "acesso a terapêuticas inovadoras" no sistema de saúde nacional. "Obviamente, é de saudar", pois "é a esperança de alguns doentes", remata.

Nuno Miranda, hematologista do Instituto Português de Oncologia, conta que "a primeira vez que se assistiu à eficácia disto foi numa menina chamada Emily, da Pensilvânia, com leucemia linfocítica" e "que agora está bem". A terapia tem como destinatários os doentes com linfomas e leucemias não controladas que já passaram por várias intervenções terapêuticas convencionais sem sucesso. Esgotadas todas as opções, estes doentes ficam com uma esperança média de vida de seis meses, pelo que esta nova técnica pode ser mesmo a boia de salvação. Destes doentes, 40% pode mesmo ter a patologia controlada ao final de dois anos.

"A minha esperança é que isto possa ter maior aplicabilidade, além deste tipo de tumor, também nos tumores sólidos, muito mais frequentes. É uma terapêutica presente com potencial futuro".

60 beneficiários por ano

No caso das leucemias, "há uma diminuição da taxa de recaídas nos doentes que são transplantados depois de fazer CAR-T", acrescenta Nuno Miranda. Os benefícios de um transplante a seguir a este procedimento deve-se, sobretudo, ao facto de ser uma doença mais agressiva e com "maior capacidade de fugir ao sistema imunológico", ao contrário do que acontece com os linfomas.

O especialista prevê que venham a existir à volta de 60 doentes por ano, em Portugal, sob esta terapia. Mas "se aumentar o número de doenças tratáveis (com esta terapêutica), pode aumentar também significativamente o número de doentes", lembra.

Aliás, "importa mesmo perceber que este tratamento não será para todos", lembra também o presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia. Paulo Cortes explica que está desenhado de forma "imunologicamente mais inteligente" e dirigido a determinado grupo de doentes. "Terá sempre de ser para casos selecionados".

Ainda assim, acredita no potencial futuro desta nova técnica e está confiante de que poderá ser alargada a tumores sólidos. "A minha esperança é que isto possa ter maior aplicabilidade, além deste tipo de tumor, também nos tumores sólidos, muito mais frequentes. É uma terapêutica presente com potencial futuro".

"Temos de nos preocupar com a sustentabilidade disto, em termos do número de doentes a que se aplica"

350 mil euros por doente

Há anos que Nuno Miranda espera por isto. "Esta ideia estava a ser trabalhada desde 1999. Só não havia ainda a tecnologia e a investigação é morosa", justifica. Por isso, a chegada desta terapia a Portugal não foi uma surpresa.

O que ainda não se sabe é exatamente como ficará fechada a avaliação farmacoeconómica desta terapêutica. Prevê-se que o tratamento ronde os 350 mil euros por doente, englobando apenas a transformação de células e não as despesas indiretas. Em Portugal, os custos estariam ao abrigo do Serviço Nacional de Saúde, mas Nuno alerta para a sustentabilidade da introdução desta terapia. "Temos de nos preocupar com a sustentabilidade disto, em termos do número de doentes a que se aplica".

Para já, o método pioneiro apenas estará disponível no IPO do Porto, embora o Ministério da Saúde adiante que também vai ser realizado no IPO de Lisboa.

O especialista Nuno Miranda adianta ainda que atualmente está a ser preparado um laboratório na Europa, mais especificamente na Holanda, para o tratamento destas células. Até agora, "a maioria da investigação da China, havendo ainda uma quantidade significativa de investigação nos EUA (onde estes Linfócitos T foram geneticamente modificados)".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.