Mudança a caminho. Um quilo vai deixar de ser um quilo

Esta alteração não afeta a utilização quotidiana da medida, apenas a abordagem científica. Peso desviou-se 50 microgramas do padrão original

O Comité Internacional de Pesos e Medidas vai reunir-se na próxima semana para repensar a unidade científica quilo. A mudança acontece depois da medida ter revelado um desvio de 50 microgramas no padrão estabelecido internacionalmente há 129 anos, segundo o jornal espanhol ABC.

Ficou convencionado, no final da Revolução Francesa (século XVIII), que um quilograma representaria a massa de um decímetro cúbico de água destilada a 3,98 graus, que é a temperatura em que a água tem maior densidade numa atmosfera de pressão normal. Em 1875, o significado do quilograma passou além-fronteiras durante a Convenção do Metro, que aconteceu em Paris. Ali foi criado o Comité Internacional de Pesos e Medidas, composto por 18 membros, com o objetivo de garantir a uniformidade das unidades de medida.

Mais tarde, em 1889, surgiu a necessidade de concretizar fisicamente esta medida, num formato mais simples de reproduzir. Foi assim que nasceu o Grande Quilo, um cilindro com uma altura e um diâmetro de 39 milímetros construído 90% em platina e 10% em irídio, que representava a unidade. Foram ainda feitas 40 réplicas, cujo peso, com a passagem do tempo, se desviou do protótipo original guardado em Paris, existindo até variações entre as diferentes réplicas.

Agora, o quilo passará a ser uma medida universal desprovida de uma unidade física que a defina. O valor continuará a ser o mesmo, mas é calculado a partir da "constante de Planck", que tem um papel fundamental na física quântica. Esta mudança, que entrará em vigor a partir de abril de 2019, não afetará a utilização quotidiana da medida, apenas a abordagem científica.

"Na realidade não importa quanto pesa um quilo se todos trabalharmos com a mesma norma. O problema é existirem pequenas diferenças em todo o mundo. O protótipo internacional do quilograma e as suas 40 réplicas estão a crescer a um ritmo diferente, afastando-se do original", explica Peter Cumpson, professor de Sistemas Microeletromecânicos, citado pelo ABC.

Na reunião do Comité Internacional de Pesos e Medidas, agendada para a semana, vão ainda ser revistas por representantes de 57 países outras unidades:o ampere (medida da corrente elétrica), o kelvin (medida da temperatura) e o mol (medida da quantidade de substância).

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.