José Eduardo Moniz criou uma petição para limitar TPC

O jornalista quer que as crianças tenham mais tempo para atividades de socialização

José Eduardo Moniz criou um abaixo-assinado online, onde pede menos trabalhos de casa (TPC) para as crianças entre os seis e os 16 anos.

"Esta petição propõe, assim, que regule os trabalhos de casa por lei, com o fim de reconhecer o direito das crianças disporem de tempo livre e de garantir que as tarefas que desempenham na escola respeitam o tempo e as necessidades dos estudantes", pode ler-se na petição.

O objetivo da proposta do jornalista é que o parlamento conceda mais tempo às crianças para brincarem e participarem "na vida social e familiar", o que Moniz considera "central para o seu desenvolvimento [das crianças] e processo de socialização".

"No fundo, o que se exige é uma reflexão sobre o papel da escola, à luz das evoluções que as sociedades modernas vêm registando e dos desafios que se colocam às novas gerações em contextos cada vez mais concorrenciais, que abalam estruturas familiares e o equilíbrio psicológico dos mais jovens. É uma situação que reclama grande flexibilidade e enorme capacidade de adaptação", escreveu o jornalista no Facebook.

José Eduardo Moniz inspirou-se numa medida aprovada pelo Governo da Comunidade de Valência, em vigor a partir desta semana, que indica que as crianças entre os seis e os 16 anos devem fazer a maior parte dos seus trabalhos escolares durante o tempo em que estão na escola.

A petição lançada esta sexta-feira conta até ao momento com 193 assinaturas.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.