Terramoto leva a descoberta de templo dentro de uma pirâmide

Investigadores estimam que o templo seja do ano 1150 enquanto a pirâmide de Teopanzolco, em Curnavaca, no estado mexicano de Morelos, é do século XIII, ou seja, terá sido construída por cima da estrutura agora revelada

Dia 19 de setembro, de 2017. O México voltava a ser sacudido por um devastador terramoto de magnitude 7,1 na escala de Ritcher. Mais de 200 pessoas morreram. O epicentro foi identificado perto de Morelos, o estado onde a força da natureza levou a uma descoberta arqueológica: um templo antigo no interior de uma pirâmide, que foi apresentado esta quinta-feira à imprensa.

Ao usarem um radar para detetar os danos provocados pelo sismo no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram o templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar

Os danos provocados pelo sismo na pirâmide de Teopanzolco, em Cuernavaca, revelaram aos arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH)um templo dedicado a Tláloc, o deus da chuva para a cultura asteca, que os especialistas estimam ser do ano 1150. Já a pirâmide deverá ser do século XIII, ou seja, foi construída por cima da estrutura agora revelada.

A descoberta aconteceu quando decorriam os trabalhos de restauração e consolidação da estrutura principal de Teopanzolco, a mais danificada pelo sismo. Ao usarem um radar para detetar os danos no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram este templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar.

Os arqueólogos acreditam que este templo mediria 6 por 4 metros e pertencia ao povo asteca Tlahuica.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão"

"Apesar do que significou o terramoto, há que agradecer uma vez que por causa deste fenómeno natural apareceu esta importante estrutura que muda a datação deste local arqueológico", afirmou Isabel Campos Goenaga, diretora do INAH de Morelos, durante a conferência de imprensa.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão", que tanto pode ser o resultado dos rituais no templo, a destruição de uma zona para uma nova construção ou mesmo os restos de um acidente que poderia ter acontecido no local. De acordo com o INAH, o que foi encontrado ainda vai ser analisado para determinar o período a que pertencem.

"Não havia notícias, até agora, da existência de uma subestrutura dentro da estrutura piramidal. O que nós encontramos poderá corresponder ao templo mais antigo [da zona arqueológica] de Teopanzolco", disse Geórgia Bravo López, uma das arqueólogas da equipa que descobriu o templo do deus da chuva Tláloc.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.