Terramoto leva a descoberta de templo dentro de uma pirâmide

Investigadores estimam que o templo seja do ano 1150 enquanto a pirâmide de Teopanzolco, em Curnavaca, no estado mexicano de Morelos, é do século XIII, ou seja, terá sido construída por cima da estrutura agora revelada

Dia 19 de setembro, de 2017. O México voltava a ser sacudido por um devastador terramoto de magnitude 7,1 na escala de Ritcher. Mais de 200 pessoas morreram. O epicentro foi identificado perto de Morelos, o estado onde a força da natureza levou a uma descoberta arqueológica: um templo antigo no interior de uma pirâmide, que foi apresentado esta quinta-feira à imprensa.

Ao usarem um radar para detetar os danos provocados pelo sismo no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram o templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar

Os danos provocados pelo sismo na pirâmide de Teopanzolco, em Cuernavaca, revelaram aos arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH)um templo dedicado a Tláloc, o deus da chuva para a cultura asteca, que os especialistas estimam ser do ano 1150. Já a pirâmide deverá ser do século XIII, ou seja, foi construída por cima da estrutura agora revelada.

A descoberta aconteceu quando decorriam os trabalhos de restauração e consolidação da estrutura principal de Teopanzolco, a mais danificada pelo sismo. Ao usarem um radar para detetar os danos no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram este templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar.

Os arqueólogos acreditam que este templo mediria 6 por 4 metros e pertencia ao povo asteca Tlahuica.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão"

"Apesar do que significou o terramoto, há que agradecer uma vez que por causa deste fenómeno natural apareceu esta importante estrutura que muda a datação deste local arqueológico", afirmou Isabel Campos Goenaga, diretora do INAH de Morelos, durante a conferência de imprensa.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão", que tanto pode ser o resultado dos rituais no templo, a destruição de uma zona para uma nova construção ou mesmo os restos de um acidente que poderia ter acontecido no local. De acordo com o INAH, o que foi encontrado ainda vai ser analisado para determinar o período a que pertencem.

"Não havia notícias, até agora, da existência de uma subestrutura dentro da estrutura piramidal. O que nós encontramos poderá corresponder ao templo mais antigo [da zona arqueológica] de Teopanzolco", disse Geórgia Bravo López, uma das arqueólogas da equipa que descobriu o templo do deus da chuva Tláloc.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.