Terramoto leva a descoberta de templo dentro de uma pirâmide

Investigadores estimam que o templo seja do ano 1150 enquanto a pirâmide de Teopanzolco, em Curnavaca, no estado mexicano de Morelos, é do século XIII, ou seja, terá sido construída por cima da estrutura agora revelada

Dia 19 de setembro, de 2017. O México voltava a ser sacudido por um devastador terramoto de magnitude 7,1 na escala de Ritcher. Mais de 200 pessoas morreram. O epicentro foi identificado perto de Morelos, o estado onde a força da natureza levou a uma descoberta arqueológica: um templo antigo no interior de uma pirâmide, que foi apresentado esta quinta-feira à imprensa.

Ao usarem um radar para detetar os danos provocados pelo sismo no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram o templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar

Os danos provocados pelo sismo na pirâmide de Teopanzolco, em Cuernavaca, revelaram aos arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH)um templo dedicado a Tláloc, o deus da chuva para a cultura asteca, que os especialistas estimam ser do ano 1150. Já a pirâmide deverá ser do século XIII, ou seja, foi construída por cima da estrutura agora revelada.

A descoberta aconteceu quando decorriam os trabalhos de restauração e consolidação da estrutura principal de Teopanzolco, a mais danificada pelo sismo. Ao usarem um radar para detetar os danos no interior da pirâmide, os arqueólogos descobriram este templo, que, segundo os especialistas, deverá corresponder à ocupação mais antiga do lugar.

Os arqueólogos acreditam que este templo mediria 6 por 4 metros e pertencia ao povo asteca Tlahuica.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão"

"Apesar do que significou o terramoto, há que agradecer uma vez que por causa deste fenómeno natural apareceu esta importante estrutura que muda a datação deste local arqueológico", afirmou Isabel Campos Goenaga, diretora do INAH de Morelos, durante a conferência de imprensa.

Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram um queimador de incenso, restos de cerâmica com motivos da civilização Tlahuica e uma "quantidade considerável de carvão", que tanto pode ser o resultado dos rituais no templo, a destruição de uma zona para uma nova construção ou mesmo os restos de um acidente que poderia ter acontecido no local. De acordo com o INAH, o que foi encontrado ainda vai ser analisado para determinar o período a que pertencem.

"Não havia notícias, até agora, da existência de uma subestrutura dentro da estrutura piramidal. O que nós encontramos poderá corresponder ao templo mais antigo [da zona arqueológica] de Teopanzolco", disse Geórgia Bravo López, uma das arqueólogas da equipa que descobriu o templo do deus da chuva Tláloc.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.