"Quando alguém come peixe, está a consumir plástico"

Mergulhador, biólogo marinho, fundador da Blue Sphere Foundation, fotógrafo, diretor de fotografia de documentários como Racing Extinction, Shawn Heinrichs fala ao DN sobre o flagelo do plástico no mar e da urgência de salvar a vida nos oceanos.

Shawn Heinrichs é mergulhador, biólogo marinho, fotógrafo, fundador da Blue Sphere Foundation, membro da Sea Legacy e diretor de fotografia de documentários como Racing Extinction.

Natural de Durban, na África do Sul, vive no Colorado, EUA, mas viaja por todo o mundo. Tem 47 anos e, neste tema, colabora frequentemente com a ONU.

Ao DN, em entrevista por e-mail, o vencedor do prémio Sea Hero of the Year de 2011 fala do flagelo do plástico no mar e da urgência de salvar a vida nos oceanos.

Quais as maiores transformações que tem observado nos oceanos desde que começou a mergulhar até hoje?

Dos lugares com transformações mais assinaláveis é sem dúvida Raja Ampat, na Indonésia, nomeadamente a reserva marinha de Misool. Nesta reserva, vi uma recuperação da biomassa na ordem dos 250% a 600%, aumento dos tubarões e recuperação de outras espécies. Aqui, a indústria, as ONG e o governo trabalham em equipa com a comunidade, criando patrulhas eficazes, que são apoiadas pelo governo e pela indústria. É, provavelmente, uma das histórias mais inspiradoras em termos de mudanças.

Na Tailândia, por exemplo, é surpreendente o uso do plástico pela população, o plástico que se encontra no mar, a boiar, debaixo de água ou, simplesmente, na areia das praias. Segundo um relatório da Ocean Conservancy, de 2017, a Tailândia é um dos cinco países asiáticos que mais plástico mandam para o mar do que o resto do mundo todo. Os outros são China, Indonésia, Filipinas e Vietname. O que deve mudar nestes países para que esta situação mude também?

Um ponto fulcral é que existe um alheamento total entre o que consumimos e aquilo que mandamos para o ambiente. Muitas vezes, as pessoas compram coisas que não sabem de onde vêm. Consomem-nas e, depois de o terem feito, acham que tudo [o lixo] desaparece como que por magia. A verdade é que tudo vem da natureza e tudo volta para a natureza. As coisas que são orgânicas e geridas de forma sustentável têm um ciclo bem estabelecido, mas as coisas sintéticas que produzimos e que são de colheitas não sustentáveis não têm esse ciclo. Nada representa isso melhor do que o plástico. Vivemos na era do plástico descartável. Os plásticos duram centenas de milhares de anos.

O microplástico é ingerido pelos organismos marinhos depois, ou é comido pelos peixes, ou por organismos que servem de alimento a esses peixes, depois entram, eventualmente, na nossa cadeia alimentar. Quando alguém come peixe, está a consumir plástico. Estima-se que a meio do século haverá mais plástico do que peixes nos oceanos. As mensagens que recebemos todos os dias são para consumir, consumir, consumir. E não mensagens a dizer: são estas as consequências do teu consumo, é desta forma que te vai afetar negativamente e há muitos mais benefícios em consumir e descartar o que consumimos de uma forma muito mais consciente. Então, é preciso chegar às pessoas e inspirá-las para tomarem melhor conta de si e do planeta.

Em ilhas como Koh Samui e Koh Tao os mergulhadores locais admitem que há espécies de peixes que deixaram de ver. Há muito tempo que estuda a proteção dos oceanos. Tem feito muitos documentários sobre esse tema. Diz que, em 50 anos, as espécie de peixes estão 10% mais pobres do que eram antes da era da pesca industrial. O plástico não é a única causa. Quais são as outras? O que está a ser feito para reverter esta tendência e o que mais deve ser feito?

A maior causa da perda das espécies de peixe é a sobrepesca. Em vez de olharmos para os oceanos como uma conta bancária, olhamos como uma espécie de recompensa infindável que podemos continuar a pilhar, dia e noite, porque se regenera por si própria. Em 50 anos de indústria pesqueira aprendemos que não é assim.

Com o grau de eficiência das nossas pescas, com a tecnologia a uma escala nunca imaginada, perdemos 90% dos grandes peixes predadores nos últimos 50 anos. Isso é mais sentido nos países que dependem da pesca como fontes de proteína. O Sudeste Asiático é talvez das regiões mais dependentes do mundo.

Nesses países temos mais frotas de pesca do que noutras partes do mundo. Saem, pescam tudo o que apanham, uma e outra vez. A pesca à linha ou com redes pequenas deu lugar a arrastões de fundo, levando tudo à sua passagem. Uma procura desequilibrada por frutos do mar, nalguns países, teve um impacto tão grande que levou muitas espécies ao limite. Os plásticos são apenas o golpe final num sistema que já está no limite.

Em 2017, em San Diego, fiz reportagens sobre a indústria da pesca do atum, que no passado empregou muitos emigrantes portugueses. Por causa de questões ambientais, como a proteção dos golfinhos que ficam presos nas redes dos pescadores, essa indústria entrou em declínio nos EUA. Mas mudou-se para outras paragens: Tailândia, por exemplo. Então, EUA tomam medidas. A União Europeia toma medidas, como as quotas de pesca. Mas noutros sítios nada se faz? Como mudar isso?

Importa dizer que os oceanos não estão divididos em blocos, está tudo ligado. O atum é um bom exemplo, vale quase 50% das pescas globais. Cinco das oito maiores reservas de atum já entraram em colapso, outras três vão pelo mesmo caminho. Mesmo as medidas do Ocidente não são suficientes. As populações de atum continuam a decair no Ocidente, os golfinhos continuam a sofrer, os tubarões foram obliterados de forma massiva com capturas acessórias de pesca. Precisamos de reformas até nos países que "têm melhorado imenso". Quando olhamos para países asiáticos como China, Japão, Tailândia, pouco foi feito em relação às pescas. Vemos países como a China a investir na sua frota de barcos de pesca de atum e que a frota chinesa eclipsou todas as frotas dos outros países no Pacífico. Isso aconteceu em apenas uma década. Em vez de vermos redução de capacidade, crescente vigilância e sustentabilidade, vemos o contrário. É preciso pressão, a todos esses níveis, para compreender as consequências, não apenas para a natureza mas também para os humanos, se nada for feito.

Tem centrado muito do seu trabalho na proteção de mantas e tubarões. Porquê?

O verdadeiro centro do meu trabalho é conseguir ligar as pessoas à natureza e aos oceanos em geral. Inspirar todo o tipo de conservação marinha, de proteção de habitats importantes, de espécies, reforma das pescas e da poluição marinha. As raias e os tubarões são uma coisa em que me envolvi a nível pessoal. Olho para eles como embaixadores incríveis dos oceanos porque estes animais carismáticos e sencientes são algo com que as pessoas se podem identificar e relacionar. As raias-mantas são animais incrivelmente curiosos.

A sua organização, Blue Sphere Foundation, promove três expedições anuais para doadores que permitem aos entusiastas dos oceanos testemunhar na primeira linha o vosso trabalho de conservação. Como é que funciona?

Não há melhor maneira de inspirar uma pessoa a querer proteger e conservar os oceanos do que levá-la para os oceanos. Constato que muitas pessoas não têm tempo, dinheiro ou meios para entrar nos oceanos e nadar com estes animais. Isto são oportunidades que damos às pessoas de partilhar o espírito que existe na nossa organização mas também de interagir com estes animais, ver como eles são vulneráveis e gentis. Ver como eles são afetados pelos danos que estão a ser causados.

Estas expedições destinam-se a criar laços profundos com os oceanos, com estas criaturas, mas também convidar as pessoas para a nossa comunidade. Estamos a dizer que aqui existe um lar para aqueles que se preocupam. Aos doadores, em especial, dá-lhes uma visão e permite-lhes contar o que viram quando voltarem às suas empresas ou aos conselhos de administração. Dizer que é preciso agir.

Portugal tem uma das maiores zonas económicas exclusivas da UE e, em 2020, Lisboa vai receber a conferência da ONU sobre os oceanos. Já tinha sido convidado pela ONU a falar destes temas. Qual deveria ser, na sua opinião, o foco desta reunião?

Há tantas questões relacionadas com os oceanos. É difícil dizer por onde se deve começar. A sustentabilidade é o que tem mais atenção, mas não está a acontecer, na maior parte dos casos. Há pescas sem controlo. Há tantas zonas de pesca e tão poucas zonas para os peixes se esconderem. Havia a meta de proteger 20% dos oceanos até 2020, que agora parece que vai passar para 30% em 2030. Se isso acontecer, podemos fazer coisas magníficas dos oceanos.

Uma das coisas mais importantes que se pode fazer é dar a esses animais sítios onde não são perturbados. Fazer um compromisso global sobre uma redução, em escala, em volume, da pressão das pescas, é da maior urgência. E também mudar os métodos usados para pescar.

Como é que Portugal pode ajudar outros países a ter mais consciência da importância dos oceanos?

Portugal tem uma frota pesqueira considerável. As frotas comerciais têm subsídios e praticam sobrepesca e usam técnicas de pesca destrutiva. Portugal poderia liderar eliminando subsídios e aumentando a sustentabilidade da sua frota pesqueira. Se é o país anfitrião, esse compromisso vem com um preço e esse preço é fazer mudanças difíceis.

Adoraria ver uma coisa dessas acontecer, mas sei que é difícil pedir isso a países que têm a nobre tradição de pescar, exceto o facto de isso nada ter de nobre. São operações comerciais sem qualquer cuidado, diligência ou monitorização.

Quão importante é, para si enquanto pessoa, a natureza, os oceanos?

Enquanto criança, cresci em Durban, na África do Sul. Isso deixou uma marca indelével na minha alma. Os oceanos são um sítio incrivelmente terapêutico, uma das últimas fronteiras selvagens da Terra. É lindo, poderoso e abundante. Como alguém que adora mergulhar na natureza, sentir a terra debaixo dos meus pés, o ar na cara e o cheiro das árvores, ter oceanos saudáveis é algo que considera incrivelmente reparador. Ao longo da minha vida, ver esta fronteira selvagem ser devastada para fins comerciais, que extraíram e destruíram grande parte do seu habitat, é de partir o coração. Os oceanos não são um sítio de onde apenas tiramos coisas e para onde atiramos coisas.

Em 2011 recebeu o prémio Sea Hero of the Year. É assim que quer ser recordado?

Agradeço o prémio. Mas prémios e distinções não são o que procuro. A única coisa pela qual gostaria de ser recordado é pelas áreas que ajudei a proteger, as espécies que ajudei a defender e o movimento por oceanos abundantes que ajudei a promover. Essas são as coisas que mais importam para mim.

(Entrevista originalmente publicada na edição impressa do DN de 9 de fevereiro)

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.