Povoação russa invadida por ursos polares está em estado de emergência

Desde dezembro que dezenas de ursos polares rondam a povoação de Belushya Guba, nas ilhas russas de Novaya Zemlya, no oceano Ártico. A população está receosa e as autoridades declararam o estado de emergência

A população da remota região russa de Novaya Zemlya, no norte da Europa, em pleno oceano Ártico, vive dias de insegurança e de grande preocupação.

Desde dezembro que na sua principal localidade, Belushya Guba, habitada por cerca de mil pessoas, têm sido avistados dezenas de ursos polares que, segundo os relatos, já entraram inclusivamente em algumas habitações, aterrorizando os ocupantes.

Espécie ameaçada, os ursos polares são protegidos na Rússia, onde a sua caça está interdita. Com o degelo crescente no Ártico e a perda de habitat, os ursos têm-se aproximado cada vez mais dos locais habitados, em busca de alimento. De acordo com as autoridades locais, os ursos não demonstram ter qualquer medo dos carros patrulha da polícia, que assim se vê de mãos atadas para solucionar o problema.

Pelo menos 52 ursos polares já foram avistados em Belushya Guba desde dezembro, com um grupo de seis a 10 animais mais persistentes, que insistem em rondar pelas ruas. A situação levou as autoridades locais a declarar o estado de emergência.

"As pessoas estão alarmadas, com medo de sair das suas casas, já não conseguem fazer um dia-a-dia normal e os pais têm receio de mandar os filhos à escola", afirmou o porta-voz da autoridade local Alexander Minayev, citado na BBC News.

O presidente da administração regional de Novaya Zemlya, que vive na povoação desde 1983, não esconde a sua apreensão. "Nunca vi antes uma situação destas", afirmou Zhigansha Musin, sublinhando que os animais "estão literalmente a perseguir as pessoas, e alguns até já entraram em residências".

Num edital afixado na entrada do edifício municipal, as autoridades alertam para a necessidade de as pessoas se manterem afastadas dos ursos polares. Em caso de ataque, o conselho é: "Deite-se no chão, ponha a cabeça junto dos joelhos, proteja-a com as mãos, e não se mexa". Se a situação persistir, chegará o momento em que isso não baste

O alerta, entretanto, mantém-se. O estado de emergência não será levantado enquanto os ursos polares não se afastarem da povoação, asseguram as autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.