Portuguesas são "conservadoras" e preferem a quantidade de orgasmos à de sexo

Seguras, intolerantes e conservadoras. Estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos mostra como são as mulheres portuguesas nas suas relações com o parceiro.

Para a maioria das mulheres portuguesas, é mais importante a frequência com que atinge o orgasmo do que aquela com que tem relações sexuais, mostra o estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, "As mulheres em Portugal, hoje", divulgado nesta terça-feira. A investigação traça um retrato atual do sexo feminino no país, "o que são, o que pensam e como se sentem".

O estudo envolveu uma amostra de 2428 mulheres, entre os 18 e os 64 anos, residentes em Portugal e que utilizam a internet de forma regular. E a maioria delas consideram que o companheiro com quem vivem ou convivem é a dimensão da sua vida que mais determina a sua felicidade. Dizem mesmo sentir-se mais felizes com o parceiro se mantiverem relações sexuais duas ou mais vezes vezes por semana - 30% têm mais de duas vezes e 20% não passam das duas vezes por semana.

Mas, de acordo com o estudo, há aspetos que o sexo feminino em Portugal considera serem mais relevantes para o seu bem-estar, como o facto de o companheiro "participar de forma ativa nas tarefas domésticas", de "a ouvir", de "lhe dedicar o máximo de tempo possível" e de ser "carinhoso e atencioso". Por outro lado, os três aspetos que mais geram infelicidade nas mulheres são a "infidelidade", a "falta de generosidade" e as "relações sexuais pouco satisfatórias".

No entanto, elas consideram que grande parte destes parâmetros pioram com o passar do tempo de relação - ainda que a maioria se diga "feliz" ou "muito feliz" com a mesma. Apenas a "capacidade para controlar vícios" é apontado como um fator que melhora com o tempo. Na verdade, as mulheres dizem que, quanto mais longa a relação, menos sinceros, generosos, fiéis, bons ouvintes, carinhosos e dedicados se tornam. Também contribuem menos para o orçamento familiar, partilham menos o cuidado e a educação dos filhos, bem como as tarefas domésticas, perdem a capacidade para as fazer rir e até as relações sexuais entre eles pioram.

Mas há um aspeto da sua vida que as mulheres consideram que não é afetado com o passar dos anos: a "liberdade" e a independência para tratar dos seus próprios assuntos.

Em Portugal, 73% das mulheres têm companheiro ou companheira - 96% são heterossexuais e apenas 3% são homossexuais e 1% bissexual -, e a maioria (57%) vive com ele ou ela. Há ainda 27% de solteiras.

A segunda maior causa de separação entre casais é a violência doméstica. e de género

Conservadoras e intolerantes à traição

No que toca às relações, o sexo feminino português divide-se entre mulheres com perfil conservador (28%) e de "seguras-intolerantes" (também 28%).

As primeiras são as mulheres que privilegiam o respeito pelos costumes. Para elas, grande parte do desenho feminino nacional, não há sexo sem amor e não são fãs de sonhos eróticos. São as menos exigentes consigo próprias, mas as mais sociáveis e as que mais se preocupam com a sua aparência.

Já as mulheres seguras e intolerantes são as "mais exigentes e organizadas" e "quase sempre conseguem o que se propõem e não permitem que os pequenos inconvenientes da vida as desanimem". Além disso, e daí serem consideradas "intolerantes", dizem-se incapazes de perdoar uma traição do marido ou namorado.

A traição é, de facto, uma das três razões de separação entre casais. Contudo, a investigação "As mulheres em Portugal, hoje" mostra que a principal razão é a distância entre eles (44%) e a segunda maior causa é a violência doméstica e de género (26%).

Também os filhos são considerados uma fonte de desgaste entre o casal. De acordo com o estudo, "a presença dos filhos na vida do casal - sejam dele, dela ou de ambos - retira quase um ponto à felicidade média das mulheres com o companheiro com quem vivem".

Ainda que o estudo trace um perfil da maioria das mulheres, a especialista em estudos de género e consultora científica do estudo, Heloísa Perista, refere que "não há uma única definição da mulher portuguesa, porque há muitas mulheres portuguesas, com vidas absolutamente heterogéneas".

O trabalho foi coordenado pela especialista em market intelligence e consultora espanhola Laura Sagnier, que já tinha estado à frente de um estudo semelhante sobre o perfil das mulheres em Espanha.

Exclusivos