Porque se comemora a 25 de novembro o dia contra a violência de género?

Data é uma homenagem às três irmãs Mirabal, assassinadas da República Dominicana, em 1960

A cada dez minutos uma mulher é assassinada por um homem que é ou já foi seu companheiro. São dados como este que levaram a ONU a declarar o 25 de novembro como o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, mas a história desta data vem de trás: desde os anos 80 que a América Latina assinala a morte de três irmãs dominicanas, ativistas assassinadas por ordem do ditador Rafael Trujillo.

Minerva, Patria e María Teresa Mirabal cresceram num ambiente de classe média, pelo menos duas frequentaram a universidade, e mantinham uma forte atividade política, sobretudo Minerva - atividade que envolveu, em vários momentos, passagens pela prisão. A 25 de novembro de 1960, depois de uma visita aos maridos de María Teresa e Minerva, que estavam presos, foram assassinadas, juntamente com o motorista.

"Sinto-me orgulhosa como filha, como mulher, como dominicana, que a data que 25 de novembro sirva para avançar uma campanha que é indispensável", afirmou Minou Tavárez, filha de Minerva, ao jornal El País.

Foi em 1999 que a ONU se juntou a esta homenagem às irmãs Mirabal, considerando que a violência contras as mulheres continua a ser uma pandemia global. Segundo dados das Nações Unidas, 70% das mulheres são vítimas de violência em algum momento da sua vida e esta violência sistemática é consequência da persistência de desigualdades de género. Ainda segundo a ONU, mais de 700 milhões de mulheres casaram-se quando eram ainda crianças, uma prática que hoje ainda é comum em países como o Afeganistão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.