Placard.pt lidera ranking das novas APPS gratuitas em Portugal

A Placard.pt para IOS ocupa ainda o terceiro lugar no ranking geral das apps gratuitas em Portugal, na categoria de desporto, segundo o site Smilarweb

Lançada em junho, a Placard.pt para IOS está em primeiro lugar do ranking das novas apps gratuitas em Portugal, e ocupa a terceira posição no ranking geral das apps gratuitas no páis na categoria de desporto, de acordo com o site da Smilar Web, empresa que elabora o ranking das aplicações gratuitas da Applestore (Apple).

"O seu sucesso deve-se à melhoria da experiência de jogo em smartphones da Apple, que advém da elevada funcionalidade e usabilidade na navegação que oferece"

A aplicação da SAS Apostas Sociais, empresa criada em 2017, que tem como acionistas a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a União das Misericórdias Portuguesas, a Fundação Montepio Geral, a Cáritas Portuguesa e a ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal, está também disponível em www.placard.pt e permite aos utilizadores apostarem em 22 modalidades desportivas, como o futebol, ténis, basquetebol, futsal e desportos motorizados. De referir que as apostas são interditas a menores de 18 anos.

"O rápido alcance destas posições cimeiras da app de Placard.pt é a prova de que a mesma foi bem-recebida pelos apostadores portugueses e correspondeu às suas elevadas expectativas. O seu sucesso deve-se à melhoria da experiência de jogo em smartphones da Apple, que advém da elevada funcionalidade e usabilidade na navegação que oferece", refere Paulo Calado, vice-presidente executivo da SAS Apostas Sociais, Jogos e Apostas Online.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.