Placard.pt lidera ranking das novas APPS gratuitas em Portugal

A Placard.pt para IOS ocupa ainda o terceiro lugar no ranking geral das apps gratuitas em Portugal, na categoria de desporto, segundo o site Smilarweb

Lançada em junho, a Placard.pt para IOS está em primeiro lugar do ranking das novas apps gratuitas em Portugal, e ocupa a terceira posição no ranking geral das apps gratuitas no páis na categoria de desporto, de acordo com o site da Smilar Web, empresa que elabora o ranking das aplicações gratuitas da Applestore (Apple).

"O seu sucesso deve-se à melhoria da experiência de jogo em smartphones da Apple, que advém da elevada funcionalidade e usabilidade na navegação que oferece"

A aplicação da SAS Apostas Sociais, empresa criada em 2017, que tem como acionistas a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a União das Misericórdias Portuguesas, a Fundação Montepio Geral, a Cáritas Portuguesa e a ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal, está também disponível em www.placard.pt e permite aos utilizadores apostarem em 22 modalidades desportivas, como o futebol, ténis, basquetebol, futsal e desportos motorizados. De referir que as apostas são interditas a menores de 18 anos.

"O rápido alcance destas posições cimeiras da app de Placard.pt é a prova de que a mesma foi bem-recebida pelos apostadores portugueses e correspondeu às suas elevadas expectativas. O seu sucesso deve-se à melhoria da experiência de jogo em smartphones da Apple, que advém da elevada funcionalidade e usabilidade na navegação que oferece", refere Paulo Calado, vice-presidente executivo da SAS Apostas Sociais, Jogos e Apostas Online.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.