Peru e bolachinhas. SpaceX faz entregas de Natal na estação espacial internacional

Três astronautas vão passar o dia 25 de dezembro no laboratório espacial e já podem fazer uma ceia natalícia

A Estação Espacial Internacional recebeu este sábado uma visita especial e de cariz natalício. Uma cápsula da SpaceX chegou à estação e foi descarregada a sua carga: presentes de natal, como decorações e alimentos para que os astronautas possam confecionar uma ceia de natal. E claro material científico necessário para os trabalhos em curso.

A cápsula Dragon chegou junto do laboratório espacial três dias após o lançamento do Cape Canaveral. O comandante, Alexander Gerst, recorreu a um grande braço robótico da estação espacial para agarrar o transportador de carga. Foram necessárias duas tentativas para que a Dragon chegasse perto o suficiente para ser capturada.

A NASA cancelou a primeira aproximação da Dragon por causa de problemas com a rede de comunicação que serve a estação espacial. O Dragon entregou uma carga que contém tudo o que os astronautas da estação precisam para a ceia de Natal, assim como ornamentos da época festiva, e mais de 2.270 quilos de equipamento para a estação. Os alimentos entregues incluem peru fumado e outros que são tradicionais nesta festividade, incluindo bolachinhas com cobertura.

Três dos residentes da estação espacial estarão a bordo para o Natal enquanto outros três regressam à Terra no dia 20 de dezembro. Até lá, a estação abriga dois americanos, dois russos, um canadiano e Gerst, que é alemão.

É a segunda visita da estação espacial do Dragon, depois de lá ter estado no ano passado. A SpaceX, que pertence a Elon Musk, tem feito transportes de carga para a NASA desde 2012. Esta é a sua 16ª entrega sob contrato. Dois outros equipamentos estão ligados à estação espacial: um russo e outro enviado pelo outro transportador comercial da NASA, a Northrop Grumman.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.