Olhe para o céu esta noite para ver a chuva de estrelas mais espetacular do ano

A constelação de Perseus aparecerá acima do horizonte a Nordeste, a partir das 23.00. É para lá que deve olhar

Este domingo à noite olhe para o céu: com sorte conseguirá ver algumas estrelas cadentes da "mais espetacular" chuva de meteoros do ano, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa: as Perseidas.

O pico será atingido na noite de domingo, a partir das 23.00, e até às 8.00 de segunda-feira, com cerca de 110 meteoros por hora visíveis num céu escuro.

Esta chuva de estrelas é também conhecida como as Lágrimas de São Lourenço, por ocorrer perto do dia 10 de agosto, dedicado ao santo. Este ano as condições para ver o rasto dos meteoros são melhores já que estamos perto da Lua Nova, que ocorreu a 11 de agosto.

Os conselhos para uma boa observação são simples: fuja à poluição luminosa das cidades e não se esqueça de levar uma manta confortável para se sentar e apreciar o espetáculo. Não é necessário qualquer equipamento.

Esta chuva de estrelas é causada pelo cruzamento da Terra, no seu movimento de translação anual, com a órbita do cometa Swift-Tuttle, que deixouo um rasto de detritos, poeiras e pequenas partículas - são estes detritos que entram na atmosferas terrestre deixando "rastos luminosos" designados popularmente como estrelas cadentes.

A constelação de Perseus aparecerá acima do horizonte a Nordeste, a partir das 23.00.

Já agora, o cometa Swift-Tuttle é periódico, passa no periélio a cada 133,28 anos e a sua próxima passagem será em agosto de 2126.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.