Inquérito feito na escola pergunta a pais se são ciganos ou brasileiros

Queixas de racismo já chegaram a várias entidades. Investigadora reconheceu erros no documento e que questionário foi entregue antes do tempo

Os pais de alunos de escolas da Grande Lisboa e do Grande Porto estarão a ser convidados a responder a um inquérito, onde se pergunta a sua origem. Ou seja, se são portugueses, ciganos, brasileiros, chineses, indianos ou de leste.

Uma pergunta que, segundo avança a edição desta terça-feira do JN, motivou queixas no Alto-Comissariado para as Migrações, na Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial e também junto da secretária de Estado da Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro.

O estudo é organizado pela CLOO, uma empresa de consultadoria em economia comportamental, e é coordenado pela investigadora Diana Orghian, que admitiu ao jornal que "algumas coisas não correram bem", como o facto de este inquérito ter sido distribuído antes de 24 de setembro, o que permitiria retirar a palavra "cigano" do documento.

Diana Orghian refere ainda que o estudo está a ser feito em parceria com a Fundação Belmiro de Azevedo e que tem por objetivo "melhorar os métodos educativos em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.