Inquérito feito na escola pergunta a pais se são ciganos ou brasileiros

Queixas de racismo já chegaram a várias entidades. Investigadora reconheceu erros no documento e que questionário foi entregue antes do tempo

Os pais de alunos de escolas da Grande Lisboa e do Grande Porto estarão a ser convidados a responder a um inquérito, onde se pergunta a sua origem. Ou seja, se são portugueses, ciganos, brasileiros, chineses, indianos ou de leste.

Uma pergunta que, segundo avança a edição desta terça-feira do JN, motivou queixas no Alto-Comissariado para as Migrações, na Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial e também junto da secretária de Estado da Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro.

O estudo é organizado pela CLOO, uma empresa de consultadoria em economia comportamental, e é coordenado pela investigadora Diana Orghian, que admitiu ao jornal que "algumas coisas não correram bem", como o facto de este inquérito ter sido distribuído antes de 24 de setembro, o que permitiria retirar a palavra "cigano" do documento.

Diana Orghian refere ainda que o estudo está a ser feito em parceria com a Fundação Belmiro de Azevedo e que tem por objetivo "melhorar os métodos educativos em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.