Pode ver agora o Vesta, o asteroide mais brilhante de todos. Ou esperar 20 anos

O único asteroide visível a olho nu está a passar próximo da Terra. Situa-se perto de Saturno e pode ser observado durante a lua nova

Se perder esta oportunidade, terá de esperar quase 20 anos para tentar observar novamente o Vesta a olho nu. É agora, durante a lua nova, que o asteroide mais brilhante de todos será mais facilmente identificado no céu à vista desarmada. Para isso, só tem de procurar um sítio escuro e, de preferência, tentar identificá-lo com o recurso a um mapa celeste. Um pequeno telescópio também pode ajudar.

O asteroide Vesta situa-se na constelação de Ofiúco, próximo de Saturno. Observá-lo poderá, contudo, não ser uma missão fácil. "A sua magnitude está no limite do que o olho humano consegue ver. Estas são as condições ótimas para o observar, porque é quando está mais próximo [da Terra]. Atinge um brilho que lhe permite ser visível a olho nu, mas não é um espetáculo assombroso no céu, porque está no limiar do que a vista humana consegue ver", explica Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Convém procurar um local com pouca poluição luminosa, por isso a cidade está fora de questão. "Na cidade, ou nas vilas, com luz, é para esquecer. Não vai conseguir vê-lo". Como "a luz ofusca estes objetos fraquinhos", a lua nova "é a melhor altura" para observar o asteroide.

Se tiver um mapa celeste, deve procurar Saturno, "mais fácil de ver porque é um ponto mais brilhante e não cintila". Depois, é tentar identificar Vesta, que fica aproximadamente a 170 milhões de quilómetros da Terra. "É comparável às estrelas mais fraquinhas que estarão no céu, mas não cintila tanto".

A melhor hora para o observar é durante a sua passagem meridiana, quando está mais alto no céu e se encontra na direção sul (azimute 0º). No dia 16, por exemplo, acontece às 23.28, mas no dia 31 de julho a passagem ocorre mais cedo, às 22.25. Contudo, quantos mais dias passam, mais difícil será a sua identificação. Outros horários podem ser encontrados na página no OAL.

Telescópio pode ajudar

Um pequeno telescópio pode, segundo o astrónomo, tornar a missão "mais interessante". Mas convém que seja um bom equipamento, com uma ótica de qualidade, calibrado e automatizado. "Se for bom, nota-se que o pontinho é circular, contrariamente às estrelas, que são pontos matemáticos. Ampliando-se, vê-se que tem um pequeno diâmetro, ao contrário das estrelas, que nunca têm diâmetro", esclarece o professor do departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Para imaginar a dimensão de Vesta, Rui Agostinho diz que "caberia dentro da Península Ibérica e não ocuparia uma boa parte".

Estas alturas de maior aproximação da Terra, que ocorrem a cada 20 anos, adianta o especialista, "não são particularmente importantes para estudar as propriedades físicas do asteroide, porque as sondas conseguem fazê-lo [e já fizeram] muito melhor do que os telescópios terrestres". Mas, para quem o quiser fazer com um telescópio, é a melhor altura, "porque é quando se consegue ver o lado direito e esquerdo".

Vesta foi descoberto a 29 de março de 1807 por Heinrich Wilhelm Olbers e está localizado na cintura de asteroides entre Marte e Júpiter. "Sabe-se que tem uma superfície altamente refletora, mais do que a lua. Há modelos que mostram que terá sido um pequeno planeta em formação - um protoplaneta. Não teve massa suficiente para fica completamente esférico", afirma o diretor do OAL.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.