Pode ver agora o Vesta, o asteroide mais brilhante de todos. Ou esperar 20 anos

O único asteroide visível a olho nu está a passar próximo da Terra. Situa-se perto de Saturno e pode ser observado durante a lua nova

Se perder esta oportunidade, terá de esperar quase 20 anos para tentar observar novamente o Vesta a olho nu. É agora, durante a lua nova, que o asteroide mais brilhante de todos será mais facilmente identificado no céu à vista desarmada. Para isso, só tem de procurar um sítio escuro e, de preferência, tentar identificá-lo com o recurso a um mapa celeste. Um pequeno telescópio também pode ajudar.

O asteroide Vesta situa-se na constelação de Ofiúco, próximo de Saturno. Observá-lo poderá, contudo, não ser uma missão fácil. "A sua magnitude está no limite do que o olho humano consegue ver. Estas são as condições ótimas para o observar, porque é quando está mais próximo [da Terra]. Atinge um brilho que lhe permite ser visível a olho nu, mas não é um espetáculo assombroso no céu, porque está no limiar do que a vista humana consegue ver", explica Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Convém procurar um local com pouca poluição luminosa, por isso a cidade está fora de questão. "Na cidade, ou nas vilas, com luz, é para esquecer. Não vai conseguir vê-lo". Como "a luz ofusca estes objetos fraquinhos", a lua nova "é a melhor altura" para observar o asteroide.

Se tiver um mapa celeste, deve procurar Saturno, "mais fácil de ver porque é um ponto mais brilhante e não cintila". Depois, é tentar identificar Vesta, que fica aproximadamente a 170 milhões de quilómetros da Terra. "É comparável às estrelas mais fraquinhas que estarão no céu, mas não cintila tanto".

A melhor hora para o observar é durante a sua passagem meridiana, quando está mais alto no céu e se encontra na direção sul (azimute 0º). No dia 16, por exemplo, acontece às 23.28, mas no dia 31 de julho a passagem ocorre mais cedo, às 22.25. Contudo, quantos mais dias passam, mais difícil será a sua identificação. Outros horários podem ser encontrados na página no OAL.

Telescópio pode ajudar

Um pequeno telescópio pode, segundo o astrónomo, tornar a missão "mais interessante". Mas convém que seja um bom equipamento, com uma ótica de qualidade, calibrado e automatizado. "Se for bom, nota-se que o pontinho é circular, contrariamente às estrelas, que são pontos matemáticos. Ampliando-se, vê-se que tem um pequeno diâmetro, ao contrário das estrelas, que nunca têm diâmetro", esclarece o professor do departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Para imaginar a dimensão de Vesta, Rui Agostinho diz que "caberia dentro da Península Ibérica e não ocuparia uma boa parte".

Estas alturas de maior aproximação da Terra, que ocorrem a cada 20 anos, adianta o especialista, "não são particularmente importantes para estudar as propriedades físicas do asteroide, porque as sondas conseguem fazê-lo [e já fizeram] muito melhor do que os telescópios terrestres". Mas, para quem o quiser fazer com um telescópio, é a melhor altura, "porque é quando se consegue ver o lado direito e esquerdo".

Vesta foi descoberto a 29 de março de 1807 por Heinrich Wilhelm Olbers e está localizado na cintura de asteroides entre Marte e Júpiter. "Sabe-se que tem uma superfície altamente refletora, mais do que a lua. Há modelos que mostram que terá sido um pequeno planeta em formação - um protoplaneta. Não teve massa suficiente para fica completamente esférico", afirma o diretor do OAL.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.