Engenharia Aeroespacial destronada e o estranho caso do aluno que ficou sozinho no topo da lista

Com Medicina relegada para o sétimo lugar da lista dos cursos com médias mais altas, a "luta" faz-se nas engenharias. Mas o curso que aparece em primeiro lugar é uma surpresa completa.

A história repete-se de cada vez que chega o documento com as notas das colocações no ensino superior. Seleciona-se a coluna da nota do último colocado, ordena-se do maior para o mais pequeno e em segundos surgem numerados os cursos que exigiram notas de entrada mais altas.

E se há uns anos ninguém se espantava quando via a palavra Medicina repetida, hoje já não é assim. Aliás, o primeiro curso de Medicina a aparecer está na sétima posição, com uma média de 182,2. Há seis cursos que exigem notas mais elevadas e todos da área das engenharias, em Lisboa, no Porto e... na Madeira.

O número um da lista ordenada é o curso de Engenharia Civil (ensino em inglês) da Faculdade de Ciências Exatas e da Engenharia da Madeira, com a nota de entrada do último colocado a ficar nos 189,4 pontos (escala de 0 a 200). Ou seja, uma média de quase 19 (numa escala de 0 a 20). Não se sabe quem é este aluno brilhante que quer ser engenheiro civil e vive na Madeira, mas olhando para os restantes números, constata-se um dado estranho - ele foi o único aluno a concorrer a este curso. Havia 20 vagas disponíveis, ficaram agora 19 em aberto para a segunda fase. Conclusão: o aluno que levou o curso até ao topo da lista das notas de entrada, pode nem ter a oportunidade de ficar a estudar ali.

Adeus Aeroespacial, olá Engenharia Física e Tecnológica

Olhando para lá deste caso excecional, surgem os habituais candidatos ao topo da tabela. Embora haja outra surpresa em relação ao ano passado. Com uma nota de 189 pontos, é o curso de Engenharia Física e Tecnológica do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa aquele que obtém a média de entrada mais elevada. Logo a seguir surge então a Engenharia Aeroespacial, com 188,5, também no Técnico.

Até aparecer o primeiro curso de Medicina há ainda Engenharia e Gestão Industrial na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Matemática aplicada e Computação no Técnico e Bioengenharia no Porto novamente.

Então e Medicina?

São os cursos de Medicina da Universidade do Porto a ocuparem os lugares mais altos da lista dos cursos que exigem médias mais elevadas - no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar a nota foi de 182,2 (7ª posição); na Faculdade de Medicina a nota do último colocado foi de 181.

A nota mais baixa exigida para a entrada num curso de Medicina foi na Universidade dos Açores onde a nota do último aluno colocado foi de 173,8.

No total, entraram para os nove cursos de Medicina disponíveis em Portugal 1517 alunos, preenchendo todas as vagas disponíveis.

Há cursos que (ainda) ninguém quer

São 33 os cursos que não registaram qualquer candidatura e mantêm por isso todas as vagas em aberto. A maioria são cursos lecionados em Institutos Politécnicos, havendo apenas duas universidades nestas circunstâncias - o curso de Engenharia Civil na Universidade da Beira Interior e o curso de Arquitetura Paisagista da Universidade de Évora.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.