Engenharia Aeroespacial destronada e o estranho caso do aluno que ficou sozinho no topo da lista

Com Medicina relegada para o sétimo lugar da lista dos cursos com médias mais altas, a "luta" faz-se nas engenharias. Mas o curso que aparece em primeiro lugar é uma surpresa completa.

A história repete-se de cada vez que chega o documento com as notas das colocações no ensino superior. Seleciona-se a coluna da nota do último colocado, ordena-se do maior para o mais pequeno e em segundos surgem numerados os cursos que exigiram notas de entrada mais altas.

E se há uns anos ninguém se espantava quando via a palavra Medicina repetida, hoje já não é assim. Aliás, o primeiro curso de Medicina a aparecer está na sétima posição, com uma média de 182,2. Há seis cursos que exigem notas mais elevadas e todos da área das engenharias, em Lisboa, no Porto e... na Madeira.

O número um da lista ordenada é o curso de Engenharia Civil (ensino em inglês) da Faculdade de Ciências Exatas e da Engenharia da Madeira, com a nota de entrada do último colocado a ficar nos 189,4 pontos (escala de 0 a 200). Ou seja, uma média de quase 19 (numa escala de 0 a 20). Não se sabe quem é este aluno brilhante que quer ser engenheiro civil e vive na Madeira, mas olhando para os restantes números, constata-se um dado estranho - ele foi o único aluno a concorrer a este curso. Havia 20 vagas disponíveis, ficaram agora 19 em aberto para a segunda fase. Conclusão: o aluno que levou o curso até ao topo da lista das notas de entrada, pode nem ter a oportunidade de ficar a estudar ali.

Adeus Aeroespacial, olá Engenharia Física e Tecnológica

Olhando para lá deste caso excecional, surgem os habituais candidatos ao topo da tabela. Embora haja outra surpresa em relação ao ano passado. Com uma nota de 189 pontos, é o curso de Engenharia Física e Tecnológica do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa aquele que obtém a média de entrada mais elevada. Logo a seguir surge então a Engenharia Aeroespacial, com 188,5, também no Técnico.

Até aparecer o primeiro curso de Medicina há ainda Engenharia e Gestão Industrial na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Matemática aplicada e Computação no Técnico e Bioengenharia no Porto novamente.

Então e Medicina?

São os cursos de Medicina da Universidade do Porto a ocuparem os lugares mais altos da lista dos cursos que exigem médias mais elevadas - no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar a nota foi de 182,2 (7ª posição); na Faculdade de Medicina a nota do último colocado foi de 181.

A nota mais baixa exigida para a entrada num curso de Medicina foi na Universidade dos Açores onde a nota do último aluno colocado foi de 173,8.

No total, entraram para os nove cursos de Medicina disponíveis em Portugal 1517 alunos, preenchendo todas as vagas disponíveis.

Há cursos que (ainda) ninguém quer

São 33 os cursos que não registaram qualquer candidatura e mantêm por isso todas as vagas em aberto. A maioria são cursos lecionados em Institutos Politécnicos, havendo apenas duas universidades nestas circunstâncias - o curso de Engenharia Civil na Universidade da Beira Interior e o curso de Arquitetura Paisagista da Universidade de Évora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.