Engenharia Aeroespacial destronada e o estranho caso do aluno que ficou sozinho no topo da lista

Com Medicina relegada para o sétimo lugar da lista dos cursos com médias mais altas, a "luta" faz-se nas engenharias. Mas o curso que aparece em primeiro lugar é uma surpresa completa.

A história repete-se de cada vez que chega o documento com as notas das colocações no ensino superior. Seleciona-se a coluna da nota do último colocado, ordena-se do maior para o mais pequeno e em segundos surgem numerados os cursos que exigiram notas de entrada mais altas.

E se há uns anos ninguém se espantava quando via a palavra Medicina repetida, hoje já não é assim. Aliás, o primeiro curso de Medicina a aparecer está na sétima posição, com uma média de 182,2. Há seis cursos que exigem notas mais elevadas e todos da área das engenharias, em Lisboa, no Porto e... na Madeira.

O número um da lista ordenada é o curso de Engenharia Civil (ensino em inglês) da Faculdade de Ciências Exatas e da Engenharia da Madeira, com a nota de entrada do último colocado a ficar nos 189,4 pontos (escala de 0 a 200). Ou seja, uma média de quase 19 (numa escala de 0 a 20). Não se sabe quem é este aluno brilhante que quer ser engenheiro civil e vive na Madeira, mas olhando para os restantes números, constata-se um dado estranho - ele foi o único aluno a concorrer a este curso. Havia 20 vagas disponíveis, ficaram agora 19 em aberto para a segunda fase. Conclusão: o aluno que levou o curso até ao topo da lista das notas de entrada, pode nem ter a oportunidade de ficar a estudar ali.

Adeus Aeroespacial, olá Engenharia Física e Tecnológica

Olhando para lá deste caso excecional, surgem os habituais candidatos ao topo da tabela. Embora haja outra surpresa em relação ao ano passado. Com uma nota de 189 pontos, é o curso de Engenharia Física e Tecnológica do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa aquele que obtém a média de entrada mais elevada. Logo a seguir surge então a Engenharia Aeroespacial, com 188,5, também no Técnico.

Até aparecer o primeiro curso de Medicina há ainda Engenharia e Gestão Industrial na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Matemática aplicada e Computação no Técnico e Bioengenharia no Porto novamente.

Então e Medicina?

São os cursos de Medicina da Universidade do Porto a ocuparem os lugares mais altos da lista dos cursos que exigem médias mais elevadas - no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar a nota foi de 182,2 (7ª posição); na Faculdade de Medicina a nota do último colocado foi de 181.

A nota mais baixa exigida para a entrada num curso de Medicina foi na Universidade dos Açores onde a nota do último aluno colocado foi de 173,8.

No total, entraram para os nove cursos de Medicina disponíveis em Portugal 1517 alunos, preenchendo todas as vagas disponíveis.

Há cursos que (ainda) ninguém quer

São 33 os cursos que não registaram qualquer candidatura e mantêm por isso todas as vagas em aberto. A maioria são cursos lecionados em Institutos Politécnicos, havendo apenas duas universidades nestas circunstâncias - o curso de Engenharia Civil na Universidade da Beira Interior e o curso de Arquitetura Paisagista da Universidade de Évora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.