Em Moura e Ferreira do Alentejo um quarto dos alunos chumba à primeira barreira

Taxa de retenção no 2.º ano de escolaridade, nestes dois concelhos chegou aos 24%. Em todo o distrito de Beja, tal como em Faro, mais de um quinto dos alunos não consegue terminar o 1.º ciclo no tempo previsto

O distrito de Beja é, a par de Faro, aquele onde menos alunos conseguem terminar o 1.º ciclo dentro dos quatro anos previstos, revelam dados publicados no portal Infoescolas. Em ambos os casos, apenas 78% dos estudantes fazem esse percurso sem sobressaltos. No entanto, dentro daquele distrito alentejano há realidades muito distintas, com enormes assimetrias entre concelhos.

No que respeita aos chumbos no 2.º ano de escolaridade - o primeiro em que é permitido reter, e aquele em que tradicionalmente isso mais sucede no 1.º ciclo - , Ferreira do Alentejo e Moura são, de acordo com dados do ano letivo de 2016/17, os recordistas nacionais, com 24% de alunos travados logo à primeira barreira. Serpa (19%), Beja e Vidigueira (16%) foram outros municípios a contribuir para dar a este distrito uma taxa de retenção de 14%, quase o dobro da média nacional no 2.º ano de escolaridade, que foi de 7,4% no mesmo ano.

Mas também houve desenpenhos acima da média. Em Barrancos, concelho que faz fronteira com Moura, a taxa de retenção no 2.º ano de escolaridade foi em 2017 de 0%, um dos dois únicos casos no distrito, a par de Almodôvar. Castro Verde conseguiu manter este valor apenas nos 4%.

Assimetrias desta ordem de grandeza, entre concelhos cujas características e populações não são assim tão distintas entre si, parecem sustentar as denúncias daqueles, como o secretário de Estado da Educação, João Costa, ou da presidente do Conselho nacional de Educação (CNE), Maria Emília Brederode dos Santos, que afirmam existir uma "cultura de retenção" em Portugal, que demora a ceder em determinadas zonas.

Em novembro último, na apresentação do relatório "O Estado da Educação 2017", do CNE, Maria Emília Brederode dos Santos, classificou como "imensa" a percentagem de 7,4% dos alunos retidos no 2.º ano a nível nacional , criticando a tendência para travar nesta etapa quem ainda não conseguiu consolidar as competências de leitura e escrita. E já nessa altura apontou o dedo a "determinadas zonas do país em que os valores atingem patamares impensáveis. No Baixo Alentejo, no 2.º ano, há uma taxa de 13% de retenção", ilustrou então.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.