Em Moura e Ferreira do Alentejo um quarto dos alunos chumba à primeira barreira

Taxa de retenção no 2.º ano de escolaridade, nestes dois concelhos chegou aos 24%. Em todo o distrito de Beja, tal como em Faro, mais de um quinto dos alunos não consegue terminar o 1.º ciclo no tempo previsto

O distrito de Beja é, a par de Faro, aquele onde menos alunos conseguem terminar o 1.º ciclo dentro dos quatro anos previstos, revelam dados publicados no portal Infoescolas. Em ambos os casos, apenas 78% dos estudantes fazem esse percurso sem sobressaltos. No entanto, dentro daquele distrito alentejano há realidades muito distintas, com enormes assimetrias entre concelhos.

No que respeita aos chumbos no 2.º ano de escolaridade - o primeiro em que é permitido reter, e aquele em que tradicionalmente isso mais sucede no 1.º ciclo - , Ferreira do Alentejo e Moura são, de acordo com dados do ano letivo de 2016/17, os recordistas nacionais, com 24% de alunos travados logo à primeira barreira. Serpa (19%), Beja e Vidigueira (16%) foram outros municípios a contribuir para dar a este distrito uma taxa de retenção de 14%, quase o dobro da média nacional no 2.º ano de escolaridade, que foi de 7,4% no mesmo ano.

Mas também houve desenpenhos acima da média. Em Barrancos, concelho que faz fronteira com Moura, a taxa de retenção no 2.º ano de escolaridade foi em 2017 de 0%, um dos dois únicos casos no distrito, a par de Almodôvar. Castro Verde conseguiu manter este valor apenas nos 4%.

Assimetrias desta ordem de grandeza, entre concelhos cujas características e populações não são assim tão distintas entre si, parecem sustentar as denúncias daqueles, como o secretário de Estado da Educação, João Costa, ou da presidente do Conselho nacional de Educação (CNE), Maria Emília Brederode dos Santos, que afirmam existir uma "cultura de retenção" em Portugal, que demora a ceder em determinadas zonas.

Em novembro último, na apresentação do relatório "O Estado da Educação 2017", do CNE, Maria Emília Brederode dos Santos, classificou como "imensa" a percentagem de 7,4% dos alunos retidos no 2.º ano a nível nacional , criticando a tendência para travar nesta etapa quem ainda não conseguiu consolidar as competências de leitura e escrita. E já nessa altura apontou o dedo a "determinadas zonas do país em que os valores atingem patamares impensáveis. No Baixo Alentejo, no 2.º ano, há uma taxa de 13% de retenção", ilustrou então.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.