É o fim das missões de resgate do Aquarius

Navio obrigado a deixar de operar por suspeitas de poluição. Associações responsáveis pelo navio acusam autoridades europeias de sabotagem de missões humanitárias. Críticas dos Médicos Sem Fronteiras à União Europeia.

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciaram esta quinta-feira que o navio Aquarius terminou as operações de resgate e salvamento devido às acusações de despejo de "lixo tóxico" no sul de Itália. O navio humanitário que transportou milhares de migrantes vai assim parar de navegar, depois a justiça italiana solicitar o embargo do navio.

Em comunicado, a responsável dos MSF no Reino Unido, Vickie Hawkins, responsabiliza a Europa pelo fim das missões. "Não só a Europa falhou em providenciar recursos de busca e salvamento, como também sabotou ativamente a tentativas de outros em salvar vidas", pode ler-se no documento.

Segundo o comunicado, nos últimos 18 meses, os ataques dos estados da UE ao apoio humanitário e às operações de resgate "foram baseados nas táticas usadas em alguns dos estados mais repressivos do mundo". E que o fim das missões "significa que mais vidas serão perdidas no oceano e mais mortes evitáveis ficarão sem testemunhas ou registos".

A última missão de busca e salvamento de Aquarius terminou em 4 de outubro de 2018, quando chegou ao porto de Marselha, após o resgate de 58 pessoas. Desde então, o navio, que é também responsabilidade da SOS Mediterranée, estava bloqueado no porto da cidade francesa, depois de ter perdido a bandeira e o registo panamiano.

Era o último navio a operar a partir da Líbia, um ponto-chave na partida de muitos africanos subsaarianos em direção à Europa. Só em 2018, estima-se que tenham morrido mais de duas mil e 100 pessoas no Mediterrâneo, provenientes sobretudo de território líbio.

Frédéric Penard, diretor de operações da SOS Mediterrâneo, lamentou o fim do Aquarius, bem como "os ataques incessantes contra o navio e seus tripulantes" e revelou que a ONG "estuda as opções para um novo barco e uma nova bandeira".

Segundo os Médicos Sem Fronteiras, o barco, juntamente com os navios de busca e salvamento anteriores - o Bourbon Argos, Dignity, Prudence e Phoenix - ajudou a esgatar mais de 80.000 pessoas no Mar Mediterrâneo desde 2015. Só o Aquarius fez mais de 30 mil salvamentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.