É favor não lamber a montra

A Pombalina é o sítio ideal na Baixa lisboeta para comer uma sandes e um sumo e não nos sentirmos um estranho numa terra estranha.

Dos livros sobre a capital, Tabernas de Lisboa é um dos que mais me marcaram. Com fotografias a preto e branco e textos coloridos (de Luís Pavão e Mário Pereira, informa-me a Porbase), este retrato de 1981 sobre salas de refeições escuras mostra uma faceta da cidade que já não existia quando o livro foi parar-me às mãos, de empréstimo, algures nos anos 90.

Anos mais tarde, em 2006, quando embarquei na aventura chamada Sol, um dos fatores que me levaram a deixar o Expresso, entretanto confinado a um edifício de escritórios à saída da autoestrada, foi a perspetiva de mudar para a Rua de São Nicolau, na Baixa, e de poder sentir a cidade.

Assisti à transição de uma zona que já não era um deserto total à noite, como poucos anos antes, nem o circo montado para o turista como agora.

Com as tabernas já extintas, havia num raio relativamente curto estabelecimentos mais populares ou mais seletos, era à escolha do freguês. Novos espaços surgiram nos últimos anos, iguais a tantos outros. Como esquecer a casa de pasto Palmeira, a Adega dos Lombinhos, ou a cervejaria Baleal, casas com décadas de história, vítimas da febre imobiliária?

Longe de ser o pouso que mais frequentei - arriscaria o Castiço, a Licorista, o Cerveirense e o Solar Pombalino (também obrigado a encerrar, ganhou nova vida no mais modesto O Conde) - a Nova Pombalina situa-se na esquina da Rua do Comércio com a Rua da Madalena.

É a resposta portuguesa à comida de plástico: sandes com sumos naturais. Leitão, queijo da serra com presunto ou choco frito a acompanhar com limonada (para quem não alinha em misturas, também servem vinho e cerveja). E boa disposição em mensagens nas vitrinas, como por exemplo "Por favor não me lamba a montra".

Cruzamento de café com tasca, a Pombalina (deixou cair entretanto o "Nova") aburguesou-se com mesas e cadeiras, puxou um pouco os preços, mas não vendeu a sua alma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.