Do tamanho ao material. Seis conselhos para escolher a melhor mochila para as costas

Neurocirurgião lembra que as crianças carregam demasiado peso às costas, o que pode provocar problemas graves de coluna a longo prazo

Tamanho, peso e material são alguns dos fatores a ter em conta na hora de escolher a mochila para a escola, tal como a distância que a criança tem de percorrer a pé. Com a aproximação do regresso às aulas, os responsáveis pela campanha "Olhe pelas suas costas" chamam a atenção para a importância da escolha da mochila para os mais pequenos, com seis recomendações para ajudar pais e educadores a optar por aquelas que apresentem menos riscos para a coluna das crianças.

"Hoje em dia as crianças carregam demasiado peso às costas, o que pode provocar dores e problemas potencialmente graves na coluna vertebral a longo prazo. O tamanho, o material da mochila e o peso a transportar são fatores decisivos no momento da escolha, para assegurar o bem-estar da criança e a saúde da coluna em crescimento", explica, em comunicado, Bruno Santiago, neurocirurgião e coordenador da campanha nacional "Olhe pelas suas costas".

Segundo o especialista, o excesso de peso e as mochilas mal colocadas diariamente podem causar dores de costas. "E é muito importante recordar os pais e educadores que devem optar por mochilas confortáveis, deixando a estética para segundo plano, pois o mais importante é a saúde da coluna das crianças e jovens", afirma o responsável.

"As mochilas escolares estão extremamente, excessivamente carregadas", concorda o ortopedista Jacinto Monteiro. Um problema, prossegue, que "diz respeito às escolas, que obrigam os miúdos a carregar livros, material, dicionários. Mais as lancheiras, o que pode sobrecarregar as crianças".

Devido ao excesso de peso nas mochilas, o professor catedrático diz que "as posturas acabam por não ser as mais corretas". "Para compensar a carga excessiva, há uma flexão do corpo, numa fase em que as crianças estão em desenvolvimento", sublinha, destacando que "nos mais frágeis" pode vir a ter consequências a longo prazo.

O que é preciso ter em conta

Peso

O peso da mochila, já com o material e os livros escolares, não deve, segundo os especialistas, ultrapassar 10% do peso corporal da criança ou do adolescente. Ou seja, uma criança de 30 kg não deve levar mais de 3 kg.

Tamanho

Pode ser melhor optar por uma mochila mais pequena para não haver tendência a levar material em excesso, pois é recomendado que a criança transporte apenas o material que precisa para cada dia.

Arrumação

É vantajoso escolher uma mochila que tenha vários compartimentos, para que o peso seja distribuído e não sobrecarregue os ombros. Para evitar alterações da postura, o material mais pesado deve ser colocado junto ao corpo.

Alças largas

Segundo os responsáveis pela campanha, "a mochila deve ter duas alças largas e almofadadas, de modo a não desencadear contraturas musculares na criança".

Alças ajustadas

Deve "ser colocada ao centro da coluna da criança e o tamanho não deve ultrapassar o nível superior dos ombros, recomendando-se ainda uma utilização simétrica nos dois ombros".

Com ou sem rodas?

Por último, se o percurso até à escola for longo e sem escadas, é recomendada a escolha de uma mochila com rodas (trolley), uma vez que esta alivia a carga nas costas. No entanto, é necessário ter em conta que "estes modelos podem conduzir a esforços ao subir escadas e transportes públicos e o plástico ou o metal da sua estrutura habitualmente são pesados, podendo ser prejudiciais para as costas da criança quando colocadas aos ombros".

Tema em discussão

Recorde-se que o peso das mochilas é um tema que tem estado em discussão nos últimos meses em Portugal. No início do ano passado, foi entregue no Parlamento a petição pública "contra o peso excessivo das mochilas em Portugal", que reuniu mais de 50 400 assinaturas.

Posteriormente, em outubro, os partidos uniram-se, recomendando ao Governo onze medidas sobre o mesmo tema, entre as quais uma campanha de sensibilização para se monitorizar o peso das mochilas, um estudo pela Direção-Geral de Saúde sobre o efeito do peso da mochila e dos materiais obrigatórios nas crianças - recomendações expressas num projeto de resolução, subscrito por todas as bancadas parlamentares.

Entre a mochila e a pasta, a primeira representa, segundo Jacinto Monteiro, "uma tentativa de distribuir o peso pelos membros superiores". Nos últimos anos, adianta, "tornou-se uma moda", sobretudo entre jovens, mas também nos idosos, o que "pode, por vezes, ser desajustado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.