Do tamanho ao material. Seis conselhos para escolher a melhor mochila para as costas

Neurocirurgião lembra que as crianças carregam demasiado peso às costas, o que pode provocar problemas graves de coluna a longo prazo

Tamanho, peso e material são alguns dos fatores a ter em conta na hora de escolher a mochila para a escola, tal como a distância que a criança tem de percorrer a pé. Com a aproximação do regresso às aulas, os responsáveis pela campanha "Olhe pelas suas costas" chamam a atenção para a importância da escolha da mochila para os mais pequenos, com seis recomendações para ajudar pais e educadores a optar por aquelas que apresentem menos riscos para a coluna das crianças.

"Hoje em dia as crianças carregam demasiado peso às costas, o que pode provocar dores e problemas potencialmente graves na coluna vertebral a longo prazo. O tamanho, o material da mochila e o peso a transportar são fatores decisivos no momento da escolha, para assegurar o bem-estar da criança e a saúde da coluna em crescimento", explica, em comunicado, Bruno Santiago, neurocirurgião e coordenador da campanha nacional "Olhe pelas suas costas".

Segundo o especialista, o excesso de peso e as mochilas mal colocadas diariamente podem causar dores de costas. "E é muito importante recordar os pais e educadores que devem optar por mochilas confortáveis, deixando a estética para segundo plano, pois o mais importante é a saúde da coluna das crianças e jovens", afirma o responsável.

"As mochilas escolares estão extremamente, excessivamente carregadas", concorda o ortopedista Jacinto Monteiro. Um problema, prossegue, que "diz respeito às escolas, que obrigam os miúdos a carregar livros, material, dicionários. Mais as lancheiras, o que pode sobrecarregar as crianças".

Devido ao excesso de peso nas mochilas, o professor catedrático diz que "as posturas acabam por não ser as mais corretas". "Para compensar a carga excessiva, há uma flexão do corpo, numa fase em que as crianças estão em desenvolvimento", sublinha, destacando que "nos mais frágeis" pode vir a ter consequências a longo prazo.

O que é preciso ter em conta

Peso

O peso da mochila, já com o material e os livros escolares, não deve, segundo os especialistas, ultrapassar 10% do peso corporal da criança ou do adolescente. Ou seja, uma criança de 30 kg não deve levar mais de 3 kg.

Tamanho

Pode ser melhor optar por uma mochila mais pequena para não haver tendência a levar material em excesso, pois é recomendado que a criança transporte apenas o material que precisa para cada dia.

Arrumação

É vantajoso escolher uma mochila que tenha vários compartimentos, para que o peso seja distribuído e não sobrecarregue os ombros. Para evitar alterações da postura, o material mais pesado deve ser colocado junto ao corpo.

Alças largas

Segundo os responsáveis pela campanha, "a mochila deve ter duas alças largas e almofadadas, de modo a não desencadear contraturas musculares na criança".

Alças ajustadas

Deve "ser colocada ao centro da coluna da criança e o tamanho não deve ultrapassar o nível superior dos ombros, recomendando-se ainda uma utilização simétrica nos dois ombros".

Com ou sem rodas?

Por último, se o percurso até à escola for longo e sem escadas, é recomendada a escolha de uma mochila com rodas (trolley), uma vez que esta alivia a carga nas costas. No entanto, é necessário ter em conta que "estes modelos podem conduzir a esforços ao subir escadas e transportes públicos e o plástico ou o metal da sua estrutura habitualmente são pesados, podendo ser prejudiciais para as costas da criança quando colocadas aos ombros".

Tema em discussão

Recorde-se que o peso das mochilas é um tema que tem estado em discussão nos últimos meses em Portugal. No início do ano passado, foi entregue no Parlamento a petição pública "contra o peso excessivo das mochilas em Portugal", que reuniu mais de 50 400 assinaturas.

Posteriormente, em outubro, os partidos uniram-se, recomendando ao Governo onze medidas sobre o mesmo tema, entre as quais uma campanha de sensibilização para se monitorizar o peso das mochilas, um estudo pela Direção-Geral de Saúde sobre o efeito do peso da mochila e dos materiais obrigatórios nas crianças - recomendações expressas num projeto de resolução, subscrito por todas as bancadas parlamentares.

Entre a mochila e a pasta, a primeira representa, segundo Jacinto Monteiro, "uma tentativa de distribuir o peso pelos membros superiores". Nos últimos anos, adianta, "tornou-se uma moda", sobretudo entre jovens, mas também nos idosos, o que "pode, por vezes, ser desajustado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.