Cria de lobo-marinho está há quatro dias no areal da ilha do Porto Santo

Considerado a foca mais rara do mundo, a cria é vigiada por quatro vigilantes da natureza e foi observada por uma veterinária e por uma bióloga

Uma cria de lobo-marinho está desde o dia 10 deste mês no areal do Porto Santo, numa situação completamente inusual e que deverá levar os responsáveis a transportá-la para as ilhas Desertas, o seu habitat natural.

O primeiro avistamento aconteceu na quarta-feira, dia 10 quando, para surpresa de muitos, apareceu na praia da ilha do Porto Santo e até hoje não saiu do mesmo sítio.

O presidente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Paulo Oliveira, reconhece a situação pouco usual já que a cria veio das ilhas Desertas que se situam praticamente em frente à ilha do Porto Santo numa das suas primeiras viagens de descoberta.

"Aquela cria é um animal que nasceu em novembro. É um animal que está autónomo e a fazer as suas primeiras viagens de prospeção e foi ali parar numa destas viagens e obviamente que encontrou ali algumas condições que o fazem permanecer", explicou.

O comportamento do animal tem sido regular: desaparece de noite para ir caçar e alimentar-se, voltando depois pela manhã para descansar no areal dourada da ilha do Porto Santo.

Esta presença obrigou o ICNF a construir uma zona de segurança para o animal que neste momento é vigiado por quatro vigilantes da natureza para além de já ter sido observada tanto por uma veterinária como pela bióloga que pertence aos quadros do ICNF.

Autoridades devem transportar animal para as ilhas desertas

Mas Paulo Oliveira reconhece que esta não é uma situação ideal para o bem-estar do animal e equaciona, caso a cria não vá a expensas próprias de volta às ilhas Desertas, ser o próprio ICNF a transportá-la para o seu habitat.

"Existe essa possibilidade de, se o animal voluntariamente não abandonar o local, recolhe-lo e levá-lo para as [ilhas] Desertas exatamente para o local onde ele nasceu. Isto porque nós temos a indicação exata do local onde ele nasceu, local que vai reconhecer e onde vai ficar melhor", disse, ainda que o animal nesta idade já pese entre 80 a 90 quilos.

A foca-monge do Mediterrâneo ou lobo-marinho, Monachus monachus, como é conhecida no arquipélago da Madeira, é a foca mais rara do mundo e uma espécie considerada em perigo crítico pela União Internacional para a Conservação da natureza. Em Portugal, ocorre unicamente no arquipélago da Madeira, mais especificamente nas Ilhas Desertas e ilha da Madeira.

O extinto Serviço do Parque Natural da Madeira iniciou um projeto para a conservação do lobo-marinho e do seu habitat em 1988 o que levou à criação da Área Protegida das Ilhas Desertas em 1990 que, entretanto, passaram a Reserva Natural em 1995.

A proteção in loco, a monitorização e o estudo do Lobo-marinho, juntamente com a educação ambiental, têm sido as principais estratégias utilizadas para a sua salvaguarda.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.