Cada português produz 40 quilos de lixo por mês

Todos os anos são produzidas em Portugal quase cinco milhões de toneladas de resíduos, o peso de três pontes Vasco da Gama

Cada português produz em média 40 quilos de resíduos por mês e, por ano, o país tem mais quase cinco milhões de toneladas de resíduos, o peso de três pontes Vasco da Gama, segundo dados de instituições do setor.

Os números fazem parte de um vídeo da responsabilidade de três entidades ligadas aos resíduos e que agora começa a ser divulgado, chamando a atenção para o facto de apenas se reciclarem 10% dos resíduos.

No vídeo diz-se que cada português produz 473 quilos de lixo por ano e também que, se as pessoas reciclarem "tudo" e "sempre", podem contribuir, individualmente, para o reaproveitamento de cem quilos de produtos.

Recolher e tratar os resíduos custa 755 milhões de euros por ano, o equivalente a mais de 75 euros por cada cidadão, pelo que, afirma-se, quanto mais se reciclar menos pesada é a contribuição de cada um.

16% dos resíduos são transformados em corretivos orgânicos a usar na agricultura e na floresta e 23% são transformados em energia

Com o título "Reciclar é agora", o vídeo de menos de dois minutos pretende sensibilizar para a necessidade de separar e reciclar as embalagens usadas, mostrando os impactos a nível ambiental, social e económico, e afirmando que é possível, com a reciclagem, separando "todas as embalagens, sempre e em qualquer lugar", proteger o ambiente e dinamizar a economia.

Atualmente, diz-se também no vídeo, 16% dos resíduos são transformados em corretivos orgânicos a usar na agricultura e na floresta e 23% são transformados em energia. A gestão de resíduos é responsável pela criação de mais de 13 000 postos de trabalho.

O trabalho resulta de uma parceria entre a EGF, (Environmental Global Facilities, líder no tratamento e valorização de resíduos), a ESGRA (Associação para a Gestão de Resíduos, representando 14 sistemas de gestão de resíduos), e a ERSAR (Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, que nomeadamente assegura que as entidades gestoras desses serviços o fazem com qualidade e a preços acessíveis).

Teve o apoio da Sociedade Ponto Verde, que organiza e gere a retoma e valorização de resíduos de embalagens e que tem como um dos objetivos sensibilizar e educar para as melhores práticas ambientais.

O vídeo está disponível nas páginas na internet das entidades que o criaram e vai a partir de agora ser divulgado em todo o país, nomeadamente pelas entidades que tratam e valorizam os resíduos urbanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.