Attenbourough pede a ingleses que esqueçam o Brexit e contem borboletas

É nesta altura do ano que as borboletas estão mais ativas. No Reino Unido decorre a Grande Contagem de Borboletas.

Estar em contacto com a natureza ajuda David Attenborough a desligar do mundo e fá-lo sentir-se melhor. O naturalista britânico diz que observar borboletas no seu jardim ajuda-o a desligar a mente das "desgraças do Brexit". E, já agora, pode também ser útil. O conhecido apresentador de televisão é um dos grandes apoiantes da Grande Contagem de Borboletas que está a decorrer neste momento no Reino Unido. Basta ficar cerca de 15 minutos a contar borboletas e depois partilhar os resultados online.

A maioria das espécies de borboletas tem vindo a desaparecer nos últimos 40 anos. No entanto, este ano, as condições meteorológicas no Reino Unido (um inverno frio seguido de uma primavera tardia e um verão ameno), são as ideias para as borboletas aparecerem. Mas se a temperatura aumentar e criar uma seca, os efeitos poderão ser catastróficos, já que as plantas murcham e os insetos morrem por falta de alimentos, explicou a organização Butterfly Conservation, que organiza a contagem. Foi o que aconteceu, por exemplo, em 1976, quando a população de borboletas colapsou devido ao verão quente.

As borboletas estão a desaparecer? Quantas ainda existem? E de que espécies são? Se queremos saber mais sobre as borboletas esta é a altura do ano ano para estarmos atentos. E é por isso que a organização britânica Butterfly Conservation promove, anualmente, a Grande Contagem de Borboletas e está a pedir às pessoas que durante as próximas semanas contem e registem em vídeo 17 espécies de borboletas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.