Arqueólogos encontram desenho mais antigo da história da humanidade

Um grupo de investigadores descobriu na Caverna Blombos, na África do Sul, traços a vermelho numa rocha. O desenho terá cerca de 73 mil anos, estimando, o que significa que é o mais antigo já encontrado

Será este um dos primeiros desenhos feitos por humanos? É pelo menos o mais antigo encontrado até agora e foi descoberto na Caverna Blombos, na Reserva Natural de Blombosfontein, na África do Sul.

A descoberta foi publicada esta quarta-feira na revista Nature, depois de um trabalho de investigação de um grupo internacional de cientistas.

O desenho abstrato consiste em três linhas vermelhas, com tom ocre, cruzadas com seis outras linhas e, segundo os cientistas, foi feito de forma intencional num pedaço de rocha há cerca de 73 mil anos.

Este desenho agora encontrado supera em largos milénios os mais antigos que já eram conhecidos, datados de há pelo menos 30 mil anos, descobertos em África, na Europa e no Sudeste da Ásia.

Foi o arqueólogo italiano Luca Pollarolo, investigador da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, que fez esta descoberta enquanto analisava, no seu laboratório universitário, milhares de pedras retiradas da Caverna Blombos, 300 quilómetros a sudeste da Cidade do Cabo, que começou a ser explorada em 1991.

Pollarolo faz parte de uma equipa dirigida pelo arqueólogo sul-africano Christopher Henshilwood, que iniciou as primeiras escavações na caverna Blombos. O local contém material datado de 100 a 70 mil anos e também mais recentes, de há dois mil anos.

O grande desafio para os cientistas foi provar que o desenho foi intencional. E se foi feito por humanos, então como e porquê?

Este grupo de cientistas considera que o desenho devia estender-se por uma superfície maior, uma vez que o padrão de riscos vermelhos é abruptamente interrompido na lasca de pedra encontrada. Começaram por comprovar que as linhas foram aplicadas na pedra. E com base em várias experiências com o objetivo de recriar o padrão, os investigadores assumem que o desenho terá sido feito com um pedaço ocre pontiagudo, cuja extremidade teria uma largura entre um a três milímetros.

"Estas observações apoiam a hipótese de estes sinais eram de natureza simbólica e representavam um aspeto do comportamento do mundo moderno destes Homo sapiens, os antepassados de todos nós", considera Henshilwood.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.