Alterações climáticas. Conferência polémica "não será cancelada"

Diretora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que acolhe conferência negacionista do aquecimento global, diz que a instituição "é um espaço plural" e que impedir a sua realização seria "censura"

A Faculdade de Letras da Universidade do Porto "não cancelará" a conferência sobre alterações climáticas que está prevista realizar-se ali a partir da próxima sexta-feira, afirmou ao DN Fernanda Ribeiro, diretora daquela faculdade. "Fazê-lo seria fazer censura", diz a responsável, sublinhando que a instituição "não vai ceder a pressões só porque há uma polémica". A faculdade, garante, "é um espaço plural, podemos acolher outras formas de debate".

A conferência "Basic Science of a Changing Climate", que vai decorrer naquela faculdade nos próximos dias 7 e 8 (sexta e sábado) é organizada pelo grupo assumidamente negacionista Independent Committee on Geoethics, e tem como objetivo expresso, como se lê no site da própria Universidade do Porto, "(des)construir algumas ideias sobre alterações climáticas". A desconstrução incide sobre a ideia de que o aquecimento global é causado pelas emissões de CO2 devido à utilização humana dos combustíveis fósseis.

Fernanda Ribeiro diz, no entanto, acreditar que "estão reunidas as condições para o debate científico", uma vez que "houve um call para comunicações". Isso, nota, "dá garantias de que é uma conferência aberta" a quem se quiser inscrever. "Só não haverá debate", diz, "se as pessoas não forem lá participar".

Questionada anteriormente pelo DN, a presidente da comité da organização, a geógrafa Maria Assunção Araújo, professora daquela faculdade, assumiu que a escolha dos oradores foi da responsabilidade do Independent Committee on Geoethics, que apenas convidou negacionistas do papel antropogénico nas alterações climáticas. Apesar disso, a presidente da organização considera que os participantes são "pessoas cientificamente muito válidas" e que o debate científico está assegurado.

"Pensamos que a causa fundamental das alterações climáticas, que não negamos, não é a acumulação de CO2 na atmosfera", afirmou Maria Assunção Araújo ao DN. "Não pode ser isso porque o CO2 é uma pequeníssima parte dos gases na atmosfera e a maior parte nem é produzido pelos humanos, não há maneira de ter essa influência que se diz", garante.

A Universidade do Porto demarcou-se, entretanto, das posições assumidas pelos organizadores e participantes na conferência. Em comunicado, a instituição esclarece que a conferência é uma "iniciativa de uma docente da mesma faculdade, sendo da responsabilidade do Independent Committee on Geoethics", e sublinha que a sua realização "não significa que as posições" ali assumidas "sejam um reflexo da visão da Universidade do Porto sobre o tema em debate".

As universidades, defende a instituição, "devem afirmar-se como espaço de debate", pelo que, não acolher a conferência, seria "censura".

Entre os organizadores e oradores da conferência estão o sueco Nils-Axel Mörner, que questiona a subida do nível dos oceanos - tese desacreditada pelas evidências científicas.

Outro dos oradores é Christopher Monckton, conselheiro do The Heartland Institute, um think tank norte-americano conservador, que nega o aquecimento global. De acordo com o The New York Times, aquele think tank investiu vários de milhões de dólares para tentar contrariar a ciência das alterações climáticas, incluindo uma tentativa de minimizar o ensino sobre o aquecimento global nas escolas públicas. Essas iniciativas, denunciou o mesmo jornal, foram em parte "financiadas pela Charles G. Koch Fundação de Caridad, que tem ligações às Koch Industries, uma refinaria de petróleo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.