Quem são os polémicos oradores da conferência na Universidade do Porto

Nils-Axel Mörner e Christopher Monckton, dois dos oradores da conferência na Universidade do Porto já estiveram envolvidos em polémicas. Um por negar a subida do nível do mar, outro por estar associado a um think thank associado a uma das maiores petrolíferas norte-americanas

Um estudo de um dos oradores que fez capa da revista Spectator, em 2011, com alegações falsas sobre a subida do nível dos oceanos e outro associado a uma instituição que tinha uma estratégia para minimizar o ensino das alterações climáticas nas escolas dos Estados Unidos da América, em 2012, são dois casos associados à conferência promovida pela Universidade do Porto, na sexta-feira e no sábado.

A "Basic Science of Climate Change" vai ser organizada pelo Independent Committee on Geoethics (IGC) com o objetivo expresso de "(des)contruir algumas ideias sobre alterações climáticas", lê-se na apresentação do evento no site da universidade. Entre os oradores destaca-se o sueco Nils-Axel Mörner, um dos organizadores e que é uma figura controversa que se tem destacado pelas intervenções negacionistas das alterações climáticas. Um crítico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Morner também questiona a ideia da subida média do nível dos oceanos.

De acordo com o jornal The Guardian, um estudo do investigador fez capa de uma revista, há sete anos, com falsas alegações sobre a subida do nível dos oceanos. Na revista, Mörner referia que lugares como as Maldivas, Bangladesh ou o Tuvalu não "precisavam de temer o aumento do nível dos oceanos" e o artigo também referia que não havia relação entre os níveis dos oceanos e as alterações do clima. O artigo do The Guardian refere também que o investigador "faz a alegação falsa de que o nível das águas dos oceanos considerado pela maioria dos cientistas do clima 'tinha sido baseado através de uma medidor de maré em Hong Kong".

O The Guardian também refere que as alegações foram desacreditadas pela comunidade científica.

Christopher Monckton, outro nome da lista, é também conselheiro do The Heartland Institute, um think tank norte-americano e conservador que se tem afirmado no combate às evidências científicas que comprovam o aquecimento global. De acordo com um artigo do The New York Times, em fevereiro de 2012, uma fuga de informação sugeria que a organização estava a planear uma iniciativa para minimizar o ensino sobre o aquecimento global nas escolas públicas.

A iniciativa considerava que "os diretores [das escolas] e os professores estão fortemente condicionados em relação à perspetiva alarmista" do aquecimento global, de acordo com o documento citado pelo The New York Times.

O jornal norte-americano também refere que "os documentos afirma que a Charles G. Koch Fundação de Caridade contribuiu com 25 mil dólares em 2011 e que iria contribuir com 200 mil dólares no ano seguinte", acrescentando que a fundação estava associada às "Koch Industries, uma refinaria de petróleo e uma das maiores empresas privadas do país".

"Os documentos sugerem que a Heartland [Institute] gastou vários milhões de dólares nos últimos cinco anos [antecessores a 2012] em esforços para diminuir as ciências do clima, e que muito desse valor era doado de um dador referido como "um dador anónimo".

Na altura, o Heartland Institute reconheceu que alguns documentos da organização tinham sido roubados e teve de pedir desculpa aos doadores cujos nomes tinham sido revelados pela fuga de informação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.