Alerta do IPMA: Caravela-portuguesa está por toda a costa. Saiba o que fazer

A espécie Physalia physalis (Caravela-Portuguesa) está, de momento, a ocorrer em toda a costa portuguesa, incluindo nos Açores e Madeira, alerta o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Entre as espécies que ocorrem em Portugal, a Caravela Portuguesa é a que exige mais cautela. Influenciada por ventos e correntes de superfície, é frequentemente avistada na costa portuguesa.

A caravela-portuguesa apresenta um flutuador em forma de "balão" de cor azul e, por vezes, tons lilás e rosa. Os seus tentáculos podem chegar aos 30 metros de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras.

O IPMA relembra, pois, que que não se deve tocar nos tentáculos, mesmo quando a caravela-portuguesa aparenta estar morta na praia.

O que fazer?

O GelAvista relembra os cuidados a ter em caso de contacto com os tentáculos de uma caravela:

- Deve limpar bem a zona afetada com água do mar e retirar quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele.

- Poderá aplicar vinagre e bandas quentes.

- Deverá procurar assistência médica.

O programa GelAvista, que existe desde 2016, tem vindo a envolver os cidadãos na ciência para a necessária recolha de informação sobre a ocorrência ou inexistência de organismos de aspeto gelatinoso na costa Portuguesa. Recebe informação sobre a presença de organismos gelatinosos, alertando a população, e transmite informação científica sobre as espécies, bem como os cuidados a ter em caso de contacto direto com a pele.

Qualquer ocorrência desta ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao programa GelAvista, por mail (plancton@ipma.pt), ou através da aplicação GelAvista.

Exclusivos