A minha taberna já foi mercearia

A Taberna do Quinzena, em Santarém, ganhou nome e novos clientes. Já não é a taberna dos homens da cidade. Há quem venha de fora - "estrangeiros e tudo" - para petiscar no Quinzena.

Era o costume daquele tempo. Os clientes da mercearia, no 93 da Rua do Matadouro, quase por regra só pagavam as compras a cada duas semanas. Pagavam à quinzena. O pequeno negócio de Francisco Batista, em 1870 - instalado numa pequena casa térrea -, que haveria de batizar o filho José, netos e bisnetos, tornava-se também poiso dos homens da cidade. Era ali que petiscavam, conversavam, jogavam dominó ou cartas.

Os "petiscos e copinhos" que José "Quinzena" e, mais tarde, Fernando Batista "Quinzena" herdaram - dizem-me que o balcão de mármore envelhecido ainda é desses tempos - acompanham os últimos 148 anos da cidade. E vão marcando gerações. As paredes forradas de cartazes tauromáquicos, capotes, farpas e barretes de campino fixam no tempo dezenas e dezenas de anos de touradas. Está lá quase tudo. As estrelas doutras épocas, as ganadarias, os preços, os pormenores de linguagens que hoje já não se usam.

O bisneto Fernando Batista, atual proprietário, mudou o rumo da história há coisa de 25 anos. A mercearia que se tornou taberna iria ser restaurante. E a comida? Só portuguesa e ribatejana. Os vinhos? De produtores locais. A Taberna do Quinzena, igual ao que era - atrevimento meu -, ganhou nome e novos clientes. Já não é a taberna dos homens da cidade. Há quem venha de fora - "estrangeiros e tudo" - para petiscar no Quinzena.

E a memória tem disto, a comida é também a de outros tempos: favas com carne e enchidos, galo de cabidela, queixadas de porco no forno, costeletão de novilho, naco de toiro bravo avinhado e outros petiscos.

E o que mudou na cidade?

A mulher dos gatos já não deambula pela cidade, expulsando demónios que só ela conseguia ver. Clementino, travesti assumido desde os anos 1960, a melhor e a mais requisitada "mulher-a-dias" da cidade, já não passeia pelo Largo do Padre Chiquito de avental e brincos. As redes da Farpela e do Toino que durante décadas apanharam sabogas e fataças e, ouvi dizer, meixão mais transparente do que água apodreceram na casa de estacas, construída entre salgueiros, junto ao Tejo. A relojoaria do Pina fechou. O beco dos Tanoeiros, recanto dos amantes da rádio, é apenas mais um beco.

Nas ruas, já quase não há memória do pintor bêbado que expunha quadros junto à Estátua do Sá da Bandeira e se enfrascava na Brasileira, nem do trotskista que na tasca do Piçarra escrevia centenas de cartas aos presidentes da República. O Asdrúbal, que na inspeção pediu lugar na "Marinha Aérea", por lá continua, aprumado de fato e gravata, arranhando letras de fados antigos.

Tudo mudou. Até a paisagem e a Quinta do Desembargador que tanto encantaram Almeida Garrett e Alexandre Herculano já não são "pátria dos rouxinóis e das madressilvas, cinta de faias belas e loureiros viçosos".

A cidade que vista do céu estende as colinas como se braços fossem para as lezírias, os olivais do norte e o Tejo guarda consigo memórias seculares. A Porta de Atamarma por onde Afonso Henriques entrou, em 1147, para tomar Santarém aos mouros, as imponentes fortificações e os torreões nas Portas do Sol, a Porta de Santiago - outras das entradas da antiga cidade e as suas treze igrejas: a da Misericórdia de 1559; a Igreja da Sé - que chegou a ser casa dos padres da Companhia de Jesus; a Igreja da Nossa Senhora da Graça de 1380 - panteão dos Menezes e de Pedro Álvares Cabral; a Igreja da Piedade - mandada edificar por D. Afonso VI; a manuelina Igreja de Marvila ; a Igreja de Nossa Senhora de Jesus do Sítio - que ocupou os terrenos da ermida medieval de Santa Maria Madalena; a Igreja de São Nicolau - que guarda o túmulo gótico de Fernão Rodrigues Redondo; a Igreja de Santa Cruz - edificada entre 1218 e 1260, anos em que a cidade se transformou num estaleiro de construção; a Igreja de Santa Iria - que alberga o Cristo de Mont'iraz; a Igreja de Santa Maria de Alcáçova - fundada sete anos após a conquista da cidade aos mouros; a Igreja do Santo Milagre; a Igreja de Santa Clara - patrocinada por Afonso III e mais tarde pela rainha Santa Isabel, devota franciscana; e a Igreja do Cemitério dos Capuchos - erigida pelo município em 1865.

Uma caminhada histórica a que não deve escapar a Torre das Cabaças (com quase 32 metros de altura), a Fonte das Figueiras e o seu caminho de silhares de cantaria, a Casa-Museu Passos Canavarro, adquirida por Passos Manuel em 1841, lugar do Paço de D. Afonso Henriques que Garrett descreveu como "notável combinação do acaso! Que o ilustre e venerando chefe do partido progressista em Portugal (...) vindo do Minho, do berço da dinastia e da Nação, viesse fixar aqui a sua residência no alcáçar do nosso primeiro rei, conquistado pela sua espada num dos feitos mais insignes daquela era de prodígios".

E se cansaços houver, esse número 93 da antiga Rua do Matadouro ainda é pátria de "petiscos e copinhos". E não estranhe se ouvir gente e gente a chamar pelo Fernandinho. Não é o dono. É o empregado de mesa mais eficaz e afável da cidade. E o que ele canta. "Boa noite, princesas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.