A mais antiga livraria do mundo

Mora no Chiado aquele que é, desde sempre, um dos meus recantos de Lisboa.

Podia ter escolhido a frente do Tejo, fosse no Cais das Colunas, nas docas, em Belém ou no passadiço ribeirinho do Parque das Nações. Podia ter escolhido outro passeio, na praia da Costa Nova, de costas para as casinhas coloridas às riscas e para as barracas que vendem tripas de ovos-moles, a olhar a ria de Aveiro, os barcos a romperem as águas e a paisagem das gafanhas na outra margem. Podia até voltar aos recantos de jardins de Lisboa, como o 9 de Abril, defronte do Museu de Arte Antiga (e voltamos ao Tejo), ou das Amoreiras ou da Amnistia Internacional.

Podia ainda ter escolhido egoisticamente o recanto do meu sofá de onde se vê a fila de aviões a aterrarem em Lisboa nestes fins de tarde que se prolongam pela noite, com o Aqueduto de fundo. Podia ter escolhido... e a lista é quase sempre infinita, misturando sabores, emoções, afetos e memórias.

Escolho antes aquela livraria de corredor longo que se vai abrindo em sucessivas salas, que anuncia ser a mais antiga do mundo em funcionamento, desde 1732, e que nos avisa o certificado do livro dos recordes, que também se deve vender por lá - a Livraria Bertrand do Chiado.

Escolho então aquele emaranhado de lombadas, estantes de madeira, capas ilustradas de letras e imagens, multiplicadas em páginas de mais letras e possíveis imagens, que procuram seduzir-nos, como nos seduz o espaço, em que podemos ler, espreitar, folhear, apenas pegar, sem que nos olhem à espera da compra que muitas vezes não se faz ou apenas se faz noutros dias mais abonados - e sem que nos cobrem por isso.

Escolho então um local onde se ouvem línguas de diferentes geografias, sem que me sinta atingido por também ali chegar o cosmopolitismo das ruas que os estrangeiros aprendem a gostar, e onde posso sentar-me com um livro na mão, ou dois ou três, e até ser transportado para cada um dos meus recantos favoritos ou, mais importante, para outros recantos no mundo, na imaginação e nas palavras. Não é no fundo um recanto meu, mas dá gosto fazer desta livraria o meu recanto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.