Afinal, Greta Thunberg chega à Doca de Santo Amaro às 8:00 de terça-feira

A ativista sueca chega amanhã pelas 8:00 à Doca de Santo Amaro, em Lisboa, e será recebida pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina. Greta Thunberg ficará apenas algumas horas para depois seguir por comboio para participar na COP 25 de Madrid.

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg anunciou a sua chegada a Lisboa na sua conta no Twitter, mas ao contrário do que estava previsto não irá atracar na Doca de Alcântara, mas sim na Doca de Santo Amaro, junto à Gare Marítima de Alcântara, às 8:00, na manhã de terça-feira, dia 3 de dezembro. A informação foi dada ao DN por Francisco Ferreira, da Associação Ambientalista Zero, que está a organizar a passagem dela por Portugal.

Greta Thunberg vai ser recebida pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, estará algumas horas em Lisboa e depois partirá para a capital espanhola para participar na cimeira sobre as Alterações Climáticas (COP25).

"Dia 18. Estamos a caminho da Europa. O dia previsto para a chegada é terça-feira de manhã. Vamos chegar à Doca de Alcântara, Lisboa. Esperamos encontrar-vos aí!", refere a jovem ativista, de 16 anos, em mensagem no Twitter.

Em comunicado enviado à Lusa, a ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável) divulgou a mensagem de Greta Thunberg, que atravessou o Atlântico de veleiro.

Greta Thunberg foi convidada também para estar presente numa sessão na Assembleia da República, mas não confirmou ainda a sua presença e nos últimos dias surgiram indicações, não oficiais, de que a jovem sueca não irá ao Parlamento.

A antecipar essa possibilidade, o presidente da comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, o bloquista José Maria Cardoso, disse este sábado ao jornal Público que vai propor que a comissão que lidera se desloque ao Porto de Lisboa para receber a ativista sueca na sua curta passagem por Portugal.

A COP25, que se realiza de 2 a 13 de dezembro, foi transferida de urgência, em 1 de novembro para Madrid, depois de o Chile ter anunciado que renunciava à sua organização, devido a um movimento de contestação social sem precedentes no país.

A transferência foi proposta pelo chefe do governo socialista espanhol, Pedro Sánchez, para "garantir" a realização do encontro, apesar do enorme desafio logístico que isso implicava: preparar em apenas um mês um evento que vai reunir 25.000 participantes de cerca de 200 países, entre diplomatas, ONG (organizações não governamentais) e cientistas.

A cimeira sobre Alterações Climáticas realiza-se anualmente numa região diferente do mundo, tendo calhado desta vez à América Latina a sua organização, depois da última vez ter tido lugar no leste Europeu, mais precisamente na Polónia.

Inicialmente, a conferência deveria ter-se realizado no Brasil, mas, acabado de ser eleito Presidente, Jair Bolsonaro renunciou em novembro de 2018 à sua organização devido a "restrições fiscais e orçamentais", tendo o Chile assumido a presidência do evento.

Greta Thunberg cruzou o Atlântico no seu veleiro para participar numa cimeira prévia da ONU em Nova Iorque (convocada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em setembro passado) e na COP25 no Chile, mas a alteração inesperada do local obrigou-a a voltar a embarcar, desta vez num catamarã, para fazer a viagem ao contrário e chegar a tempo a Madrid, sem ter de apanhar um avião, e com passagem por Lisboa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...