Espaço Europa convida alunos das Escolas Vale D'Este a serem repórteres por um dia

Os jovens ficaram mais alertas para assuntos atuais e pertinentes da cidadania europeia.

Na tarde desta terça-feira, o Media Lab DN e o Espaço Público Europeu - Espaço Europa convidaram os alunos do Agrupamento de Escolas Vale D'Este, de Barcelos, a serem "jornalistas da Europa" por um dia. Os estudantes do ensino secundário tiveram uma breve formação sobre escrita jornalística e a estrutura de uma redação antes de assistirem à curta-metragem "O Solitário". Este filme foi criado especialmente para a iniciativa #EUandME pelo realizador polaco Tomasz Konecki, com o objetivo de mostrar aos jovens de que forma a União Europeia influencia positivamente as suas vidas, todos os dias.

Seguiu-se uma apresentação do orador Diogo Borda D'Água, Project Manager da plataforma MyPolis. Este é um projecto direcionado aos millennials que pretende melhorar a participação política dos jovens, permitindo que o façam através de uma aplicação mobile, de forma simples e intuitiva.

Feitas as apresentações, os alunos dividiram-se em diferentes grupos de trabalho: houve quem trabalhasse na construção de jornais de uma e quatro páginas, e quem se dedicasse a noticiários em formato vídeo e em rádio. Todos os grupos partiram de notícias relacionadas com temas europeus para desenvolver os seus trabalhos jornalísticos.

Assim, através desta atividade, os jovens ficaram mais alertas para assuntos atuais e pertinentes da cidadania europeia.

O aluno Simão Casanova percebeu, com esta experiência, "o trabalho importante e grande esforço dos jornalistas" e a estudante Catarina, de 15 anos, aproveitou, durante a visita à redação do Diário de Notícias, a "oportunidade de conviver com jornalistas e ver o seu local de trabalho".

O Media Lab é um projeto educativo para promover a literacia mediática com vista a formar cidadãos ativos.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.