Extensão de Almaraz aumenta risco de acidente grave, avisa Zero

Proprietários da central nuclear espanhola chegaram esta sexta-feira a um acordo para pedir a renovação da licença de exploração da fábrica até 2028. Associação ambientalista diz que prazo de 2023, previsto pelo governo de Madrid, já era exagerado.

A eventual extensão da atividade da central nuclear de Almaraz, em Espanha, até 2028 - hoje pedida pelos seus acionistas - aumenta substancialmente os riscos de se vir a dar um acidente com consequências graves, nomeadamente para Portugal. O alerta é de Francisco Ferreira, da Associação Ambientalista Zero que, em declarações ao DN, defende que o governo tem de tomar uma atitude.

"O governo português diz não querer interferir com a política energética de Espanha mas, em nosso entender, deve manifestar claramente a sua posição em relação a esta extensão de prazo", diz, explicando que "a probabilidade de um acidente grave, quer contaminando o Tejo quer podendo contaminar a atmosfera da região em volta, será acrescida com uma fadiga de material para além dos 40 anos [de funcionamento], que já era exagerado".

O governo espanhol, recorda o ambientalista, "previa 2023 /2024" como o limite para as atividades daquela unidade, pelo que, a concretizar-se a intenção dos proprietários da central, "temos aqui um acrescento de mais quatro anos. Para nós, 2023 já era o limite, porque correspondia aos 40 anos de vida útil da central, o que já era para além daquilo que é recomendável. Já merecia a nossa discordância, face aos riscos que isso significa.

Por isso, para Francisco Ferreira, "estender ainda mais quatro anos é absolutamente incompreensível e esperamos que o governo espanhol, seja este ou o próximo, não venha a autorizar essa medida".

Por outro lado, diz, a anunciada intenção dos acionistas de Almaraz, veio dar razão aos alertas que as organizações ambientalistas dos dois lados da fronteira vinham fazendo: "Só reforça os nossos receios de que o depósito temporário de resíduos, que lá está em construção, consubstanciava este [desejo de] continuar [a atividade] da central por mais tempo".

Espanha pretende libertar-se do nuclear até 2035

O compromisso de prolongamento da atividade, alcançado pelas empresas Iberdrola (52%), Endesa (36%) e Naturgy (11%) deverá ser ratificado pela assembleia-geral de acionistas que decorre nesta sexta-feira.

As empresas proprietárias de Almaraz têm até 31 de março para pedir de renovação da licença de exploração por mais 7,4 anos (2027) para o reator I da central e de 8,2 anos (2028) para o II.

Fica a faltar a aprovação das autoridades de Madrid. No entanto, segundo a agência Lusa, o acordo respeitará o estipulado no protocolo assinado há algumas semanas com a Endesa, a empresa pública responsável pela gestão dos resíduos radiativos, que prevê o encerramento de todos as centrais nucleares espanholas entre 2025 e 2035.

As cinco centrais nucleares em funcionamento em Espanha - Almaraz (Cáceres), Vandellós (Tarragona), Ascó (Tarragona), Cofrentes (Valencia) e Trillo (Guadalajara)-, que têm um total de sete reatores nucleares, cumprem 40 anos de vida útil entre 2023 (Almaraz) e 2028 (Trillo).

A central nuclear de Almaraz situa-se a cerca de 100 km de Portugal, numa das margens do rio Tejo.

Com Lusa

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?