Susbtância da canábis pode ajudar a combater infeções

Uma investigação recente indica que o canabidiol, já usado no combate a uma forma de epilepsia, pode também ser um forte aliado para curar pneumonias.

O canabidiol, uma das substâncias da canábis, pode ser um poderoso antibiótico, idêntico a outros que existem no mercado e que combatem infeções como a pneumonia, conclui uma investigação divulgada este domingo.

A investigação foi apresentada na ASM Microbe, a reunião anual da Sociedade Americana de Microbiologia, em São Francisco.

O canabidiol é o principal composto químico não psicoativo extraído das plantas de canábis e cânhamo e já é usado no combate a uma forma de epilepsia, além de estar a ser investigado para outros tratamentos, incluindo ansiedade, dor e inflamação. O potencial da droga como antibiótico ainda não foi completamente explorado.

A investigação agora divulgada foi liderada por Mark Blaskovich, da Universidade de Queensland, na Austrália, em colaboração com uma empresa farmacêutica. Os investigadores concluíram que o canabidiol foi eficaz a matar uma ampla gama de bactérias, incluindo as que se tornam resistentes a outros antibióticos, e não perdeu eficácia após tratamento prolongado.

"Dado os efeitos anti-inflamatórios documentados do canabidiol", com números seguros nos seres humanos, e o potencial para outros fins terapêuticos, "é um promissor novo antibiótico que vale a pena ser investigado", disse Blaskovich, acrescentando que é "particularmente aliciante" a combinação da atividade antimicrobiana com o potencial para reduzir danos causados pela resposta inflamatória às infeções.

Além da eficácia em tratamentos prolongados, segundo os investigadores o canabidiol também é eficaz na destruição de biofilmes, uma forma física de crescimento de bactérias que leva a infeções difíceis de tratar.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.