31 cursos superiores sem desemprego de recém-licenciados

Dados estatísticos do Ministério do Ensino Superior mostram que desemprego caiu para 5,5%, no ensino público

Há 31 cursos superiores (licenciaturas e mestrados) que têm uma taxa de desemprego de 0% entre os recém-diplomados. Os dados, que dizem respeito ao número de inscritos no Instituto de Emprego, estão disponíveis desde esta sexta-feira no portal Infocursos, gerido pela Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência, e que pretende ser uma ferramenta de apoio aos candidatos ao ensino superior.

Os cursos com desemprego zero são, por exemplo, as três licenciaturas de Teologia na Universidade Católica, ou a licenciatura de Tradução e Interpretação de Português/Chinês e Chinês/Português, do Politécnico de Leiria.

Também se juntam à lista os seis mestrados integrados de Medicina e três cursos de Enfermagem (da Escola Superior de Saúde Egas Moniz, da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa e do Politécnico de Setúbal).

No total, são vinte cursos do ensino público e dez no privado. O desemprego caiu para 5,5% no ensino público, e em 2015 era 8,6%. No privado também se registou uma quebra: de 12,7% em 2015, para 5,7% em 2018.

Os dados mostram ainda a percentagem de alunos que continuava inscrito no ensino superior no final do primeiro ano, acima dos 80% (quer no público como no privado em licenciaturas e mestrados integrados).

O objetivo é que os alunos tenham mais informação sobre os cursos disponíveis, uma vez que as informações são detalhadas por curso. A primeira fase de inscrições para o ensino superior decorre entre 18 de julho e 7 de agosto.

Lista dos cursos sem desemprego

Educação Básica no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro

Enfermagem na Escola Superior de Saúde Egas Moniz

Enfermagem na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa

Arquitetura e Urbanismo na Escola Superior Gallaecia

Enfermagem na Escola Superior de Saúde do Politécnico de Setúbal

Ortóptica na Escola Superior de Saúde do Politécnico do Porto

Música, variante de Composição, Direção e Formação Musical na Escola Superior de Música do Politécnico de Lisboa

Música, variante de Execução na Escola Superior de Música do Politécnico de Lisboa

Música na Comunidade na Escola Superior de Educação de Lisboa

Tradução e Interpretação: Português/Chinês - Chinês/Português na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Politécnico de Leiria

Arquitetura da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão

Economia na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica

Teologia na Faculdade de Teologia (Porto) da Universidade Católica

Teologia na Faculdade de Teologia (Braga) da Universidade Católica

Teologia na Faculdade de Teologia da Universidade Católica

Psicologia na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica

Medicina na Faculdade de Medicina na Universidade de Lisboa

Estudos Comparatistas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Meteorologia, Oceanografia e Geofísica na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Matemática na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Medicina no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto

Engenharia Física na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Medicina na Universidade do Minho

Engenharia de Materiais na Faculdade de Ciências e Tecnologia na Universidade Nova de Lisboa

Engenharia de Micro e Nanotecnologias na Faculdade de Ciências e Tecnologia na Universidade Nova de Lisboa

Medicina na Faculdade de Ciências Médicas na Universidade Nova de Lisboa

Medicina na Faculdade de Medicina na Universidade de Coimbra

Fìsica na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Medicina na Universidade da Beira Interior

Engenharia Informática na Universidade de Aveiro

Ciências do Mar na Universidade de Aveiro

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.