26% dos americanos eliminaram o Facebook do telemóvel

Uma sondagem norte-americana concluiu que 54% dos que usam o Facebook mudaram o seu comportamento para com a rede social. 26% foram mais longe e eliminaram a plataforma do telemóvel.

Mais de metade dos utilizadores do Facebook alteraram o modo como se relacionam com esta rede social. Mas os números são ainda mais radicais: 42% revelam que abandonaram o Facebook por um período de várias semanas, enquanto 26% vão mais longe e eliminaram a aplicação do telemóvel.

Estes números resultam de uma sondagem realizada nos Estados Unidos pelo Centro de Investigação Pew, que refere ainda que 54% dos utilizadores de todas as idades (a partir dos 18 anos) mudaram a sua atitude para com o Facebook no último ano e que alteraram os procedimentos de privacidade.

A sondagem decorreu entre o final de maio e o fim de junho, no decurso das polémicas revelações das manipulações do Facebook pela empresa de consultadoria Cambridge Analytica, acusada de ter usado dados de 87 milhões de utilizadores sem o seu conhecimento.

Para o Centro de Investigação Pew o que a sondagem mostra é que a relação com o Facebook alterou-se e que estas mudanças são mais drásticas entre os utilizadores entre os 18 e 29 anos e menos após os 65 anos. 44% dos primeiros apagaram a aplicação por mais do que uma vez no último ano enquanto só 12% dos segundos o fizeram.

Quanto às alteração de definições de privacidade, 64% dos utilizadores entre os 19 e 49 anos efetuaram ajustamentos mas o mesmo só aconteceu com 33% nos com mais 65 anos.

Apesar de o Facebook ter alterado os termos da privacidade após o escândalo da Cambridge Analytica e ter permitido aos utilizadores terem conhecimento sobre se foram recolhidos dados seus pela empresa, a sondagem mostra que apenas 1 em cada dez utentes descarregou a aplicação.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.