Vestígios de cabanas comprovam povoamento pré-romano de Salreu

Os vestígios encontrados comprovam a existência de uma povoamento do século V antes de Cristo

Sondagens realizadas nos últimos dias no Castro de Salreu, em Estarreja, puseram a descoberto restos de estruturas de cabanas e peças líticas que comprovam o povoamento pré-romano, anunciou esta terça-feira fonte ligada às escavações.

"Estamos a acabar algumas sondagens e em algumas delas estamos a encontrar vestígios mais antigos, daquilo que pensávamos ser a ocupação do povoado, como restos de cabanas e outras estruturas", afirmou Sara Almeida Silva, codiretora do projeto que está a ser levado a cabo no Castro de Salreu.

A arqueóloga admite que possam surgir nos próximos dias mais vestígios esclarecedores, em resultado da campanha em curso, que está a ser levada a efeito desde o dia 11 por uma equipa de 25 especialistas e voluntários, orientada por arqueólogos do Centro de Arqueologia de Arouca.

"Estamos a falar de uma cronologia do povoado anterior à vinda dos romanos, ou seja do século V antes de Cristo até à mudança da era", conclui Sara Almeida Silva, face aos materiais já colocados a descoberto.

Nas últimas semanas têm aparecido "sobretudo cerâmicas e algumas peças líticas que eram usadas como utensílios", devendo as sondagens deste verão ficar concluídas na próxima semana.

Situado numa colina de média altitude circundada a norte e a poente pelo rio Antuã, o povoado de ocupação proto-histórica viu confirmado o potencial arqueológico numa campanha anterior, realizada em 2011, em que foi feita a recuperação de "cerca de 2.300 fragmentos de cerâmica da Idade do Ferro, para além de alguns objetos em pedra, restos de utensílios mecânicos e duas contas de colar em pasta vítrea, de procedência mediterrânica".

Na mesma altura foram ainda identificados restos das estruturas em pedra e terra que delimitariam o povoado.

Na segunda campanha arqueológica no Castro de Salreu foram encontrados mais vestígios da ocupação do local no século V antes de Cristo, desta feita também restos de cabanas.

Os trabalhos contam com o apoio da Câmara Municipal de Estarreja e têm associado um programa de voluntariado que reuniu participantes nacionais e estrangeiros.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG