Vacina da AstraZeneca suspensa. Pelo menos 80 mil pessoas ficam à espera

A primeira fase de vacinação, diz o coordenador da task force, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo.

A suspensão da administração da vacina da AstraZeneca ditou o adiamento da vacinação de professores e auxiliares do pré-escolar e 1.º ciclo prevista para este fim de semana, afirmou esta segunda-feira o coordenador da 'task force' do plano de vacinação.

"A principal consequência desta pausa na vacinação é a alteração que teríamos para a vacinação dos docentes e não docentes do pré-escolar e 1.º ciclo. Com esta decisão, os planos que já estavam em execução foram postos em pausa também. Estes planos estão prontos e são adiados para o ponto em que estas dúvidas deixem de existir", disse o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo.

Em causa estava a vacinação de cerca de 80 mil pessoas, sendo que o processo de vacinação dos docentes e auxiliares de todos os ciclos de ensino iria prolongar-se até ao final de abril.

Em declarações prestadas na conferência de imprensa conjunta com a Autoridade do Medicamento e a Direção-Geral da Saúde (DGS), em Lisboa, o coordenador da 'task force' reiterou, porém, que "o plano de vacinação prossegue e que se prevê que a primeira fase esteja terminada no final de abril".

As autoridades de saúde portuguesas decidiram suspender o uso da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 por "precaução". A decisão foi anunciada após vários países europeus também já terem suspendido a administração desta vacina devido a relatos de aparecimento de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas.

"Se foi vacinado, mantenha-se tranquilo"

Na mesma conferência de imprensa, a diretora-geral da Saúde apelou para a tranquilidade das pessoas que receberam a vacina da AstraZeneca e garantiu que não foram reportadas em Portugal reações adversas como as identificadas em outros países.

"Se foi vacinado, mantenha-se tranquilo. Estas reações são extremamente raras e no nosso país não foram reportados fenómenos semelhantes aos encontrados nos outros países", afirmou Graça Freitas.

Segundo a responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS), "apesar de as reações adversas mencionadas serem extremamente graves, também são extremamente raras", não estando identificado o nexo de casualidade entre esta vacina e as situações de coágulos sanguíneos registados noutros países.

"Apesar de não estar identificado o nexo de causalidade entre a vacina e estas reações, pelo princípio da precaução foi decidido fazer uma pausa na vacinação com a vacina da AstraZeneca", disse.

Dirigindo-se às pessoas que já receberam a vacina da AstraZeneca em Portugal, Graça Freitas apelou ainda para que se mantenham atentas a sintomas de mau estar durante alguns dias.

"Sobretudo, se este mau estar for acompanhado de nódoas negras ou hemorragias cutâneas, não hesite e consulte um médico", salientou Graça Freitas, ao assegurar que o ministério da Saúde e o Infarmed "mantêm toda a confiança na vacinação contra a covid-19" e apelam a todos para que continuem a vacinar-se de acordo com o calendário previsto.

O comité de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a segurança de vacinas reúne-se na terça-feira para discutir a vacina contra a covid-19 AstraZeneca/Oxford, anunciou o hoje o seu diretor-geral.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também já anunciou que vai realizar uma reunião especial na quinta-feira para analisar esta situação, mas já adiantou que os benefícios da utilização da vacina superam os riscos.

As duas reuniões foram agendadas na sequência da decisão de vários países europeus de, por precaução, suspenderem a administração desta vacina, após relatos de aparecimento de coágulos sanguíneos em pessoas que já tinham sido vacinadas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG