Teve bebé na casa de banho e voltou para acabar de filmar jogo de voleibol

A adolescente abandonou a recém-nascida no meio de arbustos, numa "reação de pânico"

Uma adolescente chinesa deu à luz um bebé na casa de banho de um recinto desportivo, onde assistia a um torneio de voleibol, tendo abandonado a criança no meio de arbustos antes de voltar à partida.

Segundo relata a imprensa estatal, a adolescente terá entrado em trabalho de parto quando filmava uma partida de voleibol do campeonato nacional chinês sub18, na cidade de Changxing, província de Zhejiang, costa leste do país.

Depois de ter dado à luz na casa de banho, a jovem abandonou a recém-nascida no meio de arbustos, numa "reação de pânico", segundo descreve o jornal local Hangzhou Daily, e voltou para continuar a filmar a partida.

A bebé terá sido descoberta por um transeunte, que seguiu um rasto de sangue no chão até chegar à mãe, descreve o jornal.

"Ela estava a descansar junto ao campo", descreveu o homem, identificado como Wang, à versão 'online' do Diário do Povo, o órgão oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). "Parecia bem após o parto. Deve ter um corpo forte para conseguir dar à luz uma criança durante uma partida", disse.

Os bebés nascidos fora do casamento na China são muitas vezes abandonados devido às pressões de uma sociedade ainda tradicional e à restritiva política de natalidade do país, que proíbe os casais de terem mais de dois filhos.

No domingo passado, um recém-nascido foi resgatado de uma sanita na província de Yunnan, sudoeste da China, de acordo com um 'site' gerido pelo ministério de Segurança Pública chinês. Na mesma nota não se pormenoriza se o bebé acabou preso no tubo por ação deliberada ou acidente.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.