Sete italianas e estudantes de outros cinco países identificadas entre as vítimas mortais em Espanha

Há 13 vítimas mortais do acidente de autocarro com estudantes Erasmus em Espanha. Dezenas de feridos continuam hospitalizados

O acidente de autocarro em Tarragona, Espanha, vitimou 13 raparigas estudantes de Erasmus cujas nacionalidades foram reveladas esta segunda-feira pelo conselheiro do Interior da região da Catalunha, Jordi Jané. Jané informou, em entrevista à rádio Catalunya, que sete das vítimas eram italianas, duas alemãs, uma francesa, uma romena, uma austríaca e uma uzbeque. As jovens tinham entre 19 e 25 anos.

De acordo com o jornal El Mundo, alguns dos corpos das vítimas ficaram num estado que tornava difícil a sua pronta identificação, visto que muitas das jovens também não transportavam a sua identificação consigo. Por isso, muitos dos nomes ainda não foram revelados.

O El Mundo acrescenta ainda que todos os feridos permanecem hospitalizados. Contam-se 23, alguns dos quais ainda não foram identificados. Seis feridos encontram-se "em estado crítico" e foram transferidos para Barcelona.

A Proteção Civil da Generalitat indicou que no autocarro acidentado viajavam estudantes do Peru, Bulgária, Polónia, Irlanda, Palestina, Japão, Ucrânia, República Checa, Nova Zelândia, Reino Unido, Itália, Hungria, Alemanha, Suécia, Noruega e Suíça.

O acidente aconteceu às 06:00 da manhã locais, quando o autocarro da empresa Autocares Alejandro - que circulava na autoestrada AP-7, junto a Freginals, em Tarragona, rumo a Barcelona - perdeu o controlo, atravessou o separador e ficou voltado no sentido sul, colidindo com outro veículo. Envolveu 63 pessoas: o condutor e os 60 passageiros do autocarro, bem como duas pessoas que seguiam no ligeiro.

Sobre o ligeiro, que circulava em direção contrária, Jordi Jané declarou: "é certo que [que os seus dois ocupantes] não têm qualquer culpa". Os dois ocupantes do ligeiro permanecem hospitalizados.

Esta colisão é um dos acidentes de trânsito mais graves que ocorreram em Espanha desde 2000, com envolvimento de um autocarro de passageiros.

Com Lusa

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.