Responsáveis do Lar do Comércio em Matosinhos acusados por 67 crimes de maus-tratos

Arguidos atuaram "com a consciência que a omissão dos cuidados aos utentes poderia causar-lhes a morte, e que se conformaram com tal resultado, como veio a suceder em 17 dos utentes ali internados", afirma a Procuradoria-Geral Regional do Porto.

O Ministério Público (MP) imputou 67 crimes de maus-tratos, 17 deles agravados por resultarem em morte, a um ex-presidente e uma diretora de serviços do Lar do Comércio, em Matosinhos.

Num processo em que a própria instituição é também arguida, o MP diz estar em causa a omissão de cuidados a idosos internados no lar entre janeiro de 2015 e fevereiro de 2020.

Os arguidos atuaram então "com a consciência que a omissão dos cuidados aos utentes poderia causar-lhes a morte, e que se conformaram com tal resultado, como veio a suceder em 17 dos utentes ali internados", afirma a Procuradoria-Geral Regional do Porto (PGR-P), numa síntese da acusação.

Segundo o MP os arguidos singulares escusaram-se a contratar os médicos, funcionários e enfermeiros necessários, além de deixam de comprar equipamentos e mobiliário, produtos de higiene e terapêuticos como apósitos para escaras, colchões antiescaras, fraldas e suplementos proteicos.

Tudo isto "apesar de saberem que a instituição dispunha de meios económicos para o fazer", "por razões de diminuição e contenção de gastos" e "violando as funções dos cargos que ocupavam", afirma a acusação.

A acusação foi deduzida a 27 de julho e resumida na terça-feira pela PGR-P na sua página de Internet, sendo o resultado de um inquérito criminal anunciado à Lusa, em maio de 2020, pela Procuradoria-Geral da República.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG